23.8 C
São Paulo
terça-feira, 18/06/2024

MODELO ESGOTADO

Data:

Compartilhe:

O sindicalismo deve rever o 1º. de Maio, na forma e conteúdo. Atos para juntar multidões não têm funcionado.

Talvez para o próximo ano, melhor fazer atos por Sindicato, categoria ou por cidade.

A bandeira da Conclat – emprego, direitos, democracia, vida – não impõe, necessariamente, atos únicos.

A unidade pode se espraiar por Sindicato, categoria, segmento ou região.

Bom também que, antes do 1º. de Maio, cada entidade promovesse a Semana do Trabalhador – ações na base, palestras, atividades culturais, iniciativas solidárias etc.

O tema carestia não ocupou o centro do 1º. de Maio 2022. Embora o custo de vida aflija a população, principalmente os pobres, imensa maioria de brasileiros.

SP – 2/maio/2022

Conteúdo Relacionado

Depois da OIT

O movimento sindical se desloca anualmente a Genebra, na Conferência Mundial da OIT. O sindicalismo brasileiro fala e este ano quem falou foi Miguel...

Custeio em debate

O sindicalismo não deve temer cara feia, ainda que seja a do Rogério Marinho. A causa do custeio sindical é justa e devemos debater, olho no olho, com o renitente senador bolsonarista. Nenhuma organização (a não ser as do crime) vive sem uma contribuição justa, apoiada na lei. A luta segue. SP 11/junho/2024

Necessidade da sindicalização

No início deste ano, o consultor João Guilherme Vargas Netto propôs que 2024 fosse o ano da sindicalização. Por quê? Dois os motivos: 1) A sindicalização está caindo no País; 2) A sindicalização estreitaria a relação direção e base, reforçando a representatividade dos Sindicatos. Um semestre já se foi e a sindicalização não andou. Temos, portanto, mais seis meses pra cuidar de assunto tão fundamental à sobrevivência do próprio movimento. SP 3/junho/2024

CUSTEIO

Escreve o Diap em seu site: "Há dois projetos de lei em discussão no Senado, que procuram regulamentar a questão da assistencial. Ambos caminham na lógica antissindical, de vetar o financiamento da organização sindical, nos moldes da contrarreforma trabalhista - Lei 13.467/17". Vale recordar. Tínhamos o imposto sindical. Mas patrões, CUT e setores de umas outras Centrais lutaram pelo seu fim - e Michel Temer prazerosamente os atendeu. Agora vamos reclamar do quê? SP - 25/janeiro/2024

Defender ou fortalecer?

No Card alusivo à manifestação das Centrais Sindical, dia 22/5, o texto fala “todos EM DEFESA da Pauta da Classe Trabalhadora”. Bem, só de defende o que está sob ataque ou na iminência de. Não é o caso. Portanto, a palavra de ordem deveria ser FORTALECER A PAUTA e não defender. SP 20/maio/2024