17 C
São Paulo
quarta-feira, 24/07/2024

Sindicalistas elogiam medidas pró-indústria e empregos

Data:

Compartilhe:

Quinta, 25, o governo lançou programa de fortalecimento do setor. Objetivo é impulsionar a cadeia produtiva automotiva e gerar empregos. Outras medidas estão em estudo.

Participaram do anúncio, no Palácio do Planalto, o vice e ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio, Geraldo Alckmin; Fernando Haddad, Fazenda; Centrais Sindicais; e empresários.

O governo reduz impostos pra baixar os preços dos carros mais simples e favorecer o retorno do carro popular. Medidas também visam fortalecer a produção nacional para gerar empregos.

Força – Miguel Torres, presidente da Força Sindical, lembra que revitalizar a indústria nacional é antiga reivindicação do sindicalismo. Ele diz: “A indústria é segmento básico pra gerar empregos, assim como promover desenvolvimento econômico e social”.

Os descontos serão de até 10,8%, conforme critérios de preço, eficiência energética e densidade industrial no País. Medida vale pra carros de até R$ 120 mil. O mais barato hoje no mercado nacional custa R$ 68 mil.

Para Sérgio Nobre, presidente da CUT, indústria forte significa empregos de qualidade e melhores salários. “O processo de desindustrialização levou ao desemprego, à precarização e informalidade. Já desenvolvimento depende de indústria forte e empregos de qualidade”, diz.

Fiesp – Lula, Alckmin e o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, estiveram no encerramento do Dia da Indústria, na Fiesp. O tom geral das falas foi recuperar o protagonismo do setor industrial, com uma política ativa, competitiva e moderna, que leve em conta os avanços tecnológicos e a transição energética.

Juros – Lula disse ser “uma excrescência termos uma taxa de 13,75%”, ante uma inflação pouco acima de 4%. Tomar empréstimos a essa taxa é inviável a empresas e cidadãos.

Para o Presidente, indústria forte amplia a classe média, gera empregos com salários melhores e estimula o consumo. “Pra haver País forte e indústria forte, é preciso que haja trabalhadores fortes, consumindo as coisas que eles produzem”, disse Lula.

Mais – Acesse o site das Centrais Sindicais e da Fiesp.

Conteúdo Relacionado

Professorado começa a planejar campanha 2025

No mês de junho, a Federação dos Professores no Estado de São Paulo e os 25 Sindicatos integrantes assinaram o último acordo coletivo de...

Eleição metalúrgica será unitária

Com a unidade consolidada por meio da Chapa 1 - “A luta faz a lei!” - os metalúrgicos de São Paulo e Mogi das...

Comerciários/UGT promovem Mutirão e Encontro Nacional

Dois fatos marcarão o calendário dos Comerciários de São Paulo e também da União Geral dos Trabalhadores (UGT), Central à qual o Sindicato é...

Portaria de Marinho é lesiva aos frentistas

O Brasil possui perto de 500 mil trabalhadores em postos de combustíveis e lojas de conveniência.  A categoria, por atuar em ambiente insalubre, recebe...

Metalúrgicos do ABC fazem Arraiá

Mais uma entidade promove Festa Julina. Agora, o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC. O arraiá da categoria acontecerá dia 19 e 20 (sexta e...