17.2 C
São Paulo
domingo, 21/04/2024

ARROCHO DO MÍNIMO AUMENTARÁ A FOME

Data:

Compartilhe:

O que pega na base trabalhadora, contra Bolsonaro, é a ameaça governista de arrochar o salário mínimo, prejudicando trabalhadores da ativa e também aposentados e pensionistas.
Devemos denunciar os impactos negativos para a economia e o mercado interno, denunciando também o caráter desumano dessa eventual medida.
Salário mínimo tem caráter alimentar. Seu arrocho significa fome.
SP 24/10/2022

Conteúdo Relacionado

A taxa negocial, uma espécie de roda quadrada, tem chance zero de ser aprovada no Congresso direitista. E como o sindicalismo vai sobreviver? Pergunte aos que demonizaram o imposto sindical e até fizeram campanha de mídia contra uma taxa modesta e limpa. Como dizem os patrícios: o problema é que as consequências vêm depois. Mais chances de prosperar tem o projeto do outro Marinho, o bolsonarista. SP - 10/4/2024

Sindicalismo e dengue

O movimento sindical deve, em todos os espaços, chamar atenção para o problema da dengue. Deve, dentro do possível, dar apoio logístico às campanhas...

Três datas fortes

O sindicalismo se mobiliza em função de três datas importantes: o 8 de março, Dia Internacional da Mulher; o 28 de Abril, Dia Mundial em Memória das Vítimas de Acidentes de Trabalho; e o Dia Internacional do Trabalhador, em 1º de Maio. Três datas que mobilizam as categorias e todas as correntes do sindicalismo. A Agência Sindical cobre e repercute. SP - 18/março/2024

Março da equiparação

Março, mês da mulher, é oportunidade do sindicalismo fortalecer a luta contra a discriminação, o assédio e buscar equiparação entre trabalhadoras e trabalhadores e igual função. A Lei 14.611/23 garante a igualdade salarial, contemplando pauta histórica do sindicalismo. Lula tomou a iniciativa, o Congresso Nacional aprovou. O sindicalismo deve pressionar para a que a Lei saia do papel. SP 5/março/2024

O FAROL DO DIAP

Vale o sindicalismo acessar, regularmente, o site do Diap. Seu site lista a Agenda Sindical do ano junto ao governo e ao Congresso Nacional. Tem, contudo, a agenda do chão da fábrica, que é permanente, por emprego, direitos e condições de trabalho. Quanto mais forte a agenda daqui debaixo, mais força teremos naquela lá de cima. SP 19/2/2024