19.8 C
São Paulo
sábado, 22/06/2024

As tarefas são muitas

Data:

Compartilhe:

O governo de Jair Bolsonaro jogou o tempo todo no ataque. Ataques a direitos, ataques à democracia, ataques a Lula, ataques a instituições, ataques a jornalistas, ataques ao Judiciário, ataques aos negros, ataques aos indígenas, ataques a todos quantos não lhe beijassem os pés.

Essa tática, orientada de fora pra dentro do País, pela turma do Trump e setores agressivos da extrema direita mundial, nos fez ficar praticamente o tempo todo na defensiva.

A chuva de fake news era diária. Era um verdadeiro inferno.

Mas temos esperança que a eleição de Lula vire essa página deprimente da história brasileira, pra que a Nação se reencontre e irmãos possam novamente dialogar e se abraçar. As discussões, caso persistam, deverão respeitar as diferenças naturais que existem entre as pessoas e os grupos sociais.

Justiça seja feita ao sindicalismo. Nós resistimos, não nos rendemos; mordemos corrente, mas não entregamos os pontos. Onde houve possibilidade de atuar nós atuamos e lutamos. Onde houve espaço pra agir nós agimos. Onde houve condições de resistir nós resistimos.

Considero um feito memorável termos realizado a terceira Conclat, dia 7 de abril, e dela tirado uma pauta unitária das Centrais e do sindicalismo. Essa pauta foi entregue a Lula ainda naquele mês, porque ele se dispôs a nos receber, debater os pontos do documento e assumir compromissos.

Que compromissos? Compromissos com a geração de empregos, o aumento do salário mínimo, o fortalecimento da indústria nacional e, acima de tudo, o respeito ao Estado Democrático de Direito.

Muitos de vocês não têm ideia dos estragos produzidos por Bolsonaro, que não deu um único centavo de aumento real ao salário mínimo, não dialogou com o sindicalismo, atacou as normas de saúde e segurança no trabalho (NRs) e fechou o Ministério do Trabalho dia 1º de janeiro de 2019, primeiro dia de seu governo.

Bolsonaro e seu “posto Ipiranga” também fizeram a inflação voltar com força: gasolina, alimentos, gás de cozinha, conta de luz… Os salários perderam poder de compra. O Brasil voltou ao indigno Mapa da Fome.

Portanto, a classe trabalhadora, as instituições democráticas, o empresariado produtivo, a intelectualidade, os ecologistas, os educadores, os cientistas, os governadores e o próprio Congresso Nacional têm pela frente enormes tarefas. Precisamos ter coragem, trabalhar muito e ajudar a tirar o Brasil desse atoleiro.

Sou um homem de fé e creio que Deus iluminou os brasileiros na eleição presidencial.

Rogo que Ele também ilumine Lula e Alckmin para bem governar, retomar o desenvolvimento, elevar o padrão de vida dos brasileiros e pacificar nosso País.

A Bíblia ensina: – Vigiai e orai. O momento pede que sejamos mais vigilantes.

Josinaldo - Cabeça
Josinaldo - Cabeça
Josinaldo José de Barros (Cabeça), presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Guarulhos e Região Email - josinaldo@metalurgico.org.br

Conteúdo Relacionado

Parabéns, metalúrgicos (as) e bancárias (os) – João Guilherme Vargas Netto 

Parabéns, metalúrgicos (as) e bancárias (os)Quero fazer meus os termos da indiscrição de Rubens Ricupero, trinta anos atrás e falar de coisas boas sem...

Os interesses por trás do debate sobre contas públicas e Previdência – Adilson Araújo

Está em curso no país uma ruidosa campanha unificada da direita e extrema direita alardeando a necessidade de um ajuste fiscal fundado numa nova...

Um legítimo filho da periferia – Rodrigo de Morais

Tenho muito orgulho de ter nascido e até hoje viver na periferia, lado a lado com o nosso povo, honesto e trabalhador, sempre de...

O Sindicato e a Organização Internacional do Trabalho – OIT – Milton de Araújo

a semana de 10 a 14 de junho, estive no evento da Organização Internacional do Trabalho – OIT, onde tive a oportunidade de me...

Dilemas da aposentadoria – Eduardo Annunciato Chicão

Na atualidade: Entrada na melhor idade ou pena de morte?A tão sonhada aposentadoria transformou-se num verdadeiro tormento para a maioria dos trabalhadores. Não deveria,...