Cidadania das mulheres

0
394

Os espaços que as mulheres têm ocupado foram historicamente considerados masculinos, onde mostram o rompimento de fronteiras que as mulheres vêm conquistando. Todavia, os números de muitas pesquisas realizadas pelo IBGE mostram que a desigualdade de gênero ainda é presente e marca a vida diária de muitas mulheres, dificultando a concretização da cidadania feminina plena.

Alguns exemplos dessas pesquisas, são:

Desigualdade no trabalho:
A desigualdade no trabalho é um assunto muito falado pelas mulheres. Das 40,2 milhões de trabalhadoras, 24,3% já tinha ensino superior completo, contra 14,6% das vagas ocupadas pelos homens. As mulheres também recebem um rendimento de 24,4% menores que os dos homens.

Assédio contra a mulher:
Segundo uma pesquisa realizada pelo IBGE, 86% das mulheres brasileiras sofrem assédio em público. Uma entrevista realizada com diversas mulheres informa que o assobio é o mais comum entre os assédios nas ruas (77%). Já 44% tiveram seus corpos tocados.

Centro de Cidadania da Mulher e Totem

Com base nesses dados, o Ministério Público do Estado de São Paulo inaugurou, no ano de 2008, os Centros de Cidadania da Mulher (CCMS), que são espaços de qualificação e formação em cidadania, nos quais mulheres de diferentes idades, raças e crenças podem se organizar e defender seus direitos sociais, econômicos e culturais, além de propor e participar de ações e projetos que estimulem a implementação de políticas de igualdade, com o objetivo de potencializar, por meio do controle social, os serviços públicos existentes, com o objetivo de atender às suas necessidades e de sua comunidade.

Assim, foi desenvolvido um projeto de TOTEM informativo, para facilitar e solucionar problemas que as informações dos CCMS enfrentam, para chegar nas mulheres de uma forma ágil e eficaz.

O totem é um sistema de atendimento rápido e seguro, onde as mulheres que necessitarem de orientação a favor dos seus direitos e cuidados básicos, como saúde, proteção, creches etc, recebam direcionamento e capacitação para a realização de suas atividades. A estrutura do TOTEM foi projetada para facilitar a usabilidade e ter um custo baixo. É um Tablet com o sistema operacional Android, colocado em todas as unidades do CCMS, que são um total de 9.

O mesmo terá um sistema para as mulheres que sofrem qualquer tipo de violência e precisam de informações para denunciar de forma anônima. Vão poder se orientar e se capacitar para solucionar o seu problema sem ser exposta, perdendo o medo de lutar contra a violência dela e de outras mulheres.

O totem se baseia em  4 principais objetivos. O primeiro é a orientação. Nós iremos orientar as mulheres com informações claras para que as mesmas se interessem em praticar e melhorar suas vidas.

O segundo objetivo é a capacitação, relacionada a  “prática” dita anteriormente. Iremos capacitar as mulheres a praticar a orientação que recebeu, mostrando que é possível sair de situações com violência, ter um cuidado melhor com a própria saúde,  com os filhos e voltar para o mercado de trabalho, que muitas não conseguem.

Os dois últimos estão bem relacionados. É a motivação e a luta. A motivação é a força que a capacitação vai ajudar a mulher a ter. Iremos motivar por meio do fácil acesso a essas informações e ao totem, mostrando que a mesma não está sozinha. E a luta é o que as mulheres vão fazer quando se orientar, se capacitar, se motivar, para ajudar as outras. Ou seja, após atingirmos o objetivo de mulheres qualificadas, queremos juntar as mesmas para lutar e ajudar muitas que ainda precisam de ajuda.

Considerações

Concluindo que a igualdade de gênero e a cidadania plena das mulheres ainda constituem desafios a serem conquistados. A continuidade da violência contra a mulher tem agravado as injustiças sociais e dificultado o desenvolvimento social, econômico, cultural e político do País. Todavida, esse projeto vai ajudar na superação de obstáculos para divulgar informações, que ajudarão a eliminar todas as formas de preconceito e discriminação, onde teremos como resultado a construção da cidadania das mulheres plena, um desafio a ser enfrentados por todos os que desejam um mundo justo e humano.

Referências:
CRISTALDO, H. (20 de Maio de 2016). AGENCIABRASIL. Acesso em 20 de Maio de 2019, disponível em AGENCIABRASIL.
Artigo baseado no trabalho apresentado por alunos da Universidade Paulista, no curso de Gestão da Tecnologia da Informação no primeiro semestre do ano de 2019.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui