18 C
São Paulo
quinta-feira, 13/06/2024

Defensor – por João Guilherme Vargas Netto

Data:

Compartilhe:

Durante a ditadura, alguns Sindicatos usavam essa palavra e mesmo um ícone para definir seu compromisso com os associados.

Esta é a palavra que hoje deve sintetizar as preocupações de todos os dirigentes sindicais dos comerciários em sua vasta e diversificada rede de entidades frente às ameaças e aos perigos enfrentados pelos empregados da Americanas.

Defender os direitos dos trabalhadores, principalmente os empregos, articular de maneira inteligente e afirmativa a unidade de ação solidária do movimento sindical e sensibilizar o governo, a opinião pública e os meios de comunicação, eis as tarefas.
Uma primeira reunião de entidades com o representante da empresa aumentou as preocupações de todos devido ao não-comprometimento dele em preservar os empregos e garantir os direitos.

Pode-se aquilatar a alienação do dirigente empresarial quando se sabe que cada participante na cúpula da empresa ganhava, pelo menos, 400 vezes mais que o salário de cada um dos “colaboradores” (os 40 mil comerciários e outros empregados da Americanas).

E o bate-cabeça generalizado (entre empresa, bancos, controladores, investidores, credores, Justiça e Bolsa), que é maior do que as “inconsistências contábeis” poderiam causar, tem passado ao largo da preservação dos empregos e de tranquilizar os comerciários.

Algo deve e pode ser feito e está sendo feito.

O deputado federal Luiz Calos Motta (PL-SP), que também é comerciário e preside a CNTC (Confederação Nacional dos Trabalhadores no Comércio) redige um projeto de lei para garantir a ação sindical nas recuperações judicias e falências e apoia a criação de uma CPI da Americanas.

Ricardo Patah, presidente do Sindicato dos Somerciários de São Paulo e da UGT, com outros dirigentes de Centrais, Federações e Sindicatos solidários na luta, pretendem realizar um ato na sede da empresa, no Rio de Janeiro e em algumas grandes lojas, para demonstrar a vontade unitária do movimento sindical de defender os comerciários que não devem pagar o pato pela crise.

João Guilherme Vargas Netto – Consultor sindical de entidades de Trabalhadores e membro do Diap.

Clique aqui e leia mais opiniões de Vargas Netto

João Guilherme
João Guilherme
Consultor sindical e membro do Diap. E-mail joguvane@uol.co.br

Conteúdo Relacionado

O capital quer sindicatos sem dinheiro e trabalho infantil – Marcos Verlaine

Se depender dos patrões, do chamado mercado e do capital, os sindicatos no Brasil serão asfixiados financeiramente e morrerão à míngua. Isto de 1...

A privatização no Brasil – Paulo Henrique Viana

Os pontos negativos da privatização no Brasil Um dos principais argumentos contra a privatização é a questão da acessibilidade. Quando serviços públicos essenciais, como energia,...

Ação sindical em defesa dos engenheiros – Murilo Pinheiro

Campanhas salariais 2024, que abrangem mais de 100 mil profissionais, seguem a todo vapor. Mobilização e participação efetiva da categoria é essencial para reforçar...

Defendemos a criação de um programa emergencial robusto – Nilton Neco

Nesta quinta-feira (06) o Governo Federal anunciou a medida provisória que concede dois salários mínimos para os trabalhadores afetados pelas enchentes, se mostrando mais...

Luta dos trabalhadores da enfermagem merece solidariedade do brasileiro – Adilson Araújo

Não é novidade para ninguém que no Brasil os salários atribuídos à classe trabalhadora são miseravelmente baixos, o que faz da sobrevivência uma ginástica...