23.8 C
São Paulo
terça-feira, 18/06/2024

Médico critica piora em condições de trabalho na pandemia

Data:

Compartilhe:

A live da Agência Sindical de quinta (18) entrevistou Victor Dourado, presidente do Sindicato dos Médicos de São Paulo. As condições de trabalho, já precárias, pioraram drasticamente devido à pandemia do novo coronavírus.

Empresas e Organizações Sociais (OS) exploram o médico, impõem jornadas superiores a 100 horas semanais e dão seguidos calotes.

Formado na Unicamp, Victor relaciona a proletarização da categoria com a concentração de capital nas mãos dos grupos privados. Ele comenta: “Além da ausência estatal, o que ocorre é que esse mesmo Estado drena recursos públicos para setores privados”.

Segundo o presidente do Simesp, que lidera uma diretoria com grande número de mulheres e majoritariamente de jovens profissionais, os dados são imprecisos, uma vez que os testes para detectar a Covid-19 no Brasil não são feitos em massa. “Sabemos, no entanto, da morte de mais de 120 médicos devido à doença”, afirma.

PRINCIPAIS TRECHOS

Condições – A situação do trabalho não vinha bem há tempos. Antes da reforma trabalhista, já existiam muitas terceirizações.

A reforma precarizou ainda mais o trabalho, aumentando a carga horária e diminuindo os salários. A crise do coronavírus só agravou essa precarização.

Garantias dos médicos – As garantias de afastamento remunerado não existem. O Sindicato busca, junto ao Ministério Público do Trabalho, o pagamento aos profissionais PJ no momento de afastamento.

Mas infelizmente vivemos uma fase de uberização da categoria.

Convenções – No caso dos médicos, as Convenções Coletivas abrangem uma parcela cada vez menor na categoria. Muitos são PJ e ficam de fora das negociações. Com isso, o número de calotes, atrasos de pagamento e abusos só está crescendo.

Piso e jornada – Nessa forma precarizada não há garantia de Piso e jornada. Tem médico fazendo jornada abusiva. Na Residência Médica, aprendemos que a carga máxima é de 70 horas semanais, mas, quando o profissional começa a trabalhar, essas 70 horas se tornam carga mínima.

Mobilização – Nossa categoria não tem um histórico de lutas sindicais. Mas a precarização leva a perder o medo. Em Osasco, fizemos greve com profissionais que não tinham vínculo e estavam sem receber. Quando não se tem a perder, o medo desaparece e a greve é a única saída.

Live – Acesse aqui e assista à íntegra da live da Agência Sindical.

Conteúdo Relacionado

Metalúrgicos de Catalão conquistam avanços

Depois de muita negociação, terminou com boas notícias a Campanha Salarial 2024/2025 da John Deere, no Catalão, em Goiás. Os metalúrgicos conseguiram conquistar reajuste...

Cesta básica sobe, mostra o Dieese

Pesquisa mensal do Dieese apura que em maio o valor do conjunto de alimentos básicos aumentou em 11 das 17 Capitais. A Pesquisa Nacional...

Sindicato de Niterói firma aditivo com avanços

Mais uma vitória para uma grande parcela de frentistas no Estado do Rio de Janeiro. Desta vez, de Araruama, Cachoeira de Macacu, Guapimirim, Iguaba...

Miguel da Força defende democracia e inclusão

Na quarta (12), Miguel Torres falou em nome do sindicalismo nacional e da classe trabalhadora na Conferência da Organização Internacional do Trabalho, em Genebra,...

CUT debate os impactos dos parques eólicos para a classe trabalhadora

A CUT debateu nesta terça-feira (11) e quarta-feira (12) em Natal, no Rio Grande do Norte, os impactos dos parques eólicos nas comunidades locais,...