15.6 C
São Paulo
sexta-feira, 12/07/2024

Foi forte o Dia da Luta Operária

Data:

Compartilhe:

Teve grande participação sindical e popular a edição 2024 do Dia da Luta Operária, em 9 de julho. Mesmo com frio intenso e chuva, centenas compareceram ao Sindicato dos Padeiros, Centro de SP, no feriado estadual. Ricardo Patah, da UGT, e Adilson Araújo, CTB, foram os presidentes de Central presentes ao evento.

O Dia da Luta Operária foi instituído pela lei 16.634/17, do então vereador Antonio Donato, hoje deputado estadual (PT-SP). A premiação chegou à sexta edição.

O ponto alto é a entrega do Troféu José Martinez, jovem operário morto pela repressão durante a greve de 1917, em São Paulo. Troféu é obra do artista Enio Squeff.

Agraciados – Receberam o Troféu a Médica do Trabalho, Maria Maeno, também pesquisadora da Fundacentro, e o metalúrgico, de Osasco, Carlos Clemente, defensor da saúde do trabalhador, da inclusão de pessoas com deficiência e diretor do Espaço Cidadania.

Placas – Entregues a Isabel Peres, fundadora da Ação dos Cristãos para Abolição da Tortura. In memoriam, a Clodesmidt Riani, ex-presidente da CNTI e CGT, perseguido na ditadura. Também a Valdir Vicente de Barros, torturado na ditadura, ex-diretor da CNTI, ex-presidente dos Metalúrgicos de Niterói e fundador da UGT. E Severino Almeida, líder da greve dos marítimos de 1987, ex-presidente do Sindicato Nacional dos Oficiais da Marinha Mercante, fundador da CTB.

Emoção – Um dos momentos mais emocionantes foi a leitura, por um dos seus filhos, da carta que Riani escreveu da prisão para sua esposa Norma. Nela, o dirigente reafirma sua fé em Deus, seu compromisso com a democracia e fala em sua esperança na Justiça. Ele ficou preso seis anos, período em que sofreu agressões e tortura. Riani faleceu em 2003, aos 103 anos de idade, em Juiz de Fora, Minas.

CMS – Uma das entidades organizadoras do Dia é o Centro de Memória Sindical. Sua coordenadora, Carol Ruy, falou à Agência Sindical. Segundo a jornalista e pesquisadora, “a premiação deste ano foi marcadamente sindical, com a presença de várias entidades e grande número de dirigentes”. Ela considera acertado realizar o evento numa entidade de classe.

Para cada edição, forma-se um Grupo de Trabalho, que define nomes dos homenageados e critérios da cerimônia. Para Carol Ruy, o Dia da Luta Operária já definiu padrões importantes. Por exemplo, sempre se homenagear um homem e uma mulher. Outro avanço é o apoio crescente das Centrais Sindicais. Na avaliação da coordenadora do Centro, o engajamento sindical fortalecerá, a cada ano, a edição do Dia da Luta Operária.

MAIS – Sites das Centrais, do Centro de Memória Sindical e gabinete do deputado Donato.

Conteúdo Relacionado

Consultor vê País normalizado e Lula mais forte

O ambiente nacional está mais calmo. A economia vai bem. As relações entre Executivo e Legislativo avançaram. E as condições para o diálogo e...

Sindicato e UGT apoiam luta nos EUA

O Sindicato dos Comerciários de São Paulo (filiado à UGT) foi representado pela diretora Maria das Graças da Silva Reis nos atos da Campanha...

Futebol Metalúrgico faz final domingo

Termina dia 14, domingo, o 27º Campeonato de Futebol dos Metalúrgicos de Guarulhos e Região (Grande SP). Competição já teve 57 partidas, com 195...

Mercado é 0,5% da população, diz economista

Nas últimas semanas, a palavra mercado foi uma das mais utilizadas na mídia, principalmente pelos comentaristas de economia.O viés ideológico dessa cobertura empodera o...

Frentistas da Paraíba aumentam salário

Frentistas da Paraíba fecharam Convenção Coletiva de Trabalho. Negociação com o patronal foi fechada após três rodadas. Principal conquista, aumento salarial de 7%. CCT...