19.1 C
São Paulo
segunda-feira, 24/06/2024

Hora de olhar pra frente – por Walter dos Santos

Data:

Compartilhe:

Nos últimos anos, a ofensiva contra o movimento sindical e trabalhadores foi enorme. Desde o governo de Temer, foram aprovadas medidas como a “reforma trabalhista” e a possibilidade de terceirização de praticamente todas as atividades das empresas. O governo alegava que haveria mais liberdade contratual e menos interferência do Estado nas relações do trabalho; que as negociações coletivas seriam fortalecidas e isso geraria empregos.

Balela, rasgaram a CLT, precarizaram o trabalho, o acesso à Justiça do Trabalho foi dificultado e o movimento sindical foi sufocado. Tentaram nos retirar a representatividade, cortaram as formas de sustento e atacaram a nossa imagem na imprensa e nas redes sociais, pois sabiam que resistiríamos a tudo isso.

Sindicatos fecharam, as negociações coletivas diminuíram e vários direitos foram sendo tirados da classe trabalhadora e dos aposentados.

No Sincomerciários de Guarulhos, resistimos, buscamos o diálogo e, mesmo quando os patronais se mostraram intransigentes, não desistimos e adotamos a estratégia de negociação por empresa, que rendeu frutos e proporcionou ganhos até acima da inflação.

Agora, temos um novo governo, esperamos que as nossas vozes sejam ouvidas. Precisamos de um projeto de reconstrução e transformação nacional que fortaleça os sindicatos e valorize o emprego.

Dados do IBGE mostram que há mais de 8 milhões de desempregados e outros 13 milhões trabalhando sem carteira assinada, o que lhes retira dignidade e direitos básicos, como o descanso semanal remunerado, vale transporte, vale alimentação, férias, 13º salário, aviso prévio e FGTS. Por isso, é necessário que o presidente Lula tenha como meta a retomada do crescimento sustentável, a geração de emprego e renda, isso sem deixar disparar a inflação, resgate direitos trabalhistas e previdenciários e crie um regramento que traga dignidade aos trabalhadores informais, de aplicativos e por conta própria.

Para contribuir nesse processo, o pleno exercício de representação e negociação dos Sindicatos deve ser reforçado.

Por outro lado, sabemos da importância das Centrais Sindicais, mas o sistema sindical é um todo e a base são os sindicatos, somos nós que conhecemos o “chão da fábrica” e o que está acontecendo diariamente, por isso, é necessário que o sistema inteiro seja considerado, tenha voz e participação na formulação de políticas públicas.

Por fim, precisamos de paz e estabilidade, ninguém aguenta mais brigas sem fim, amizades desfeitas, famílias separadas por causa de políticos de estimação, por isso desejamos sorte e sucesso ao presidente Lula, aos novos deputados e senadores e aos novos governadores, pois o êxito deles fará o futuro do Brasil melhor. Se não forem bons, cobraremos e nas próximas eleições escolheremos outros, pois assim é a democracia. Feliz 2023.

Clique aqui e leia mais artigos de Walter dos Santos.

Acesse – www.comerciariosdeguarulhos.org.br

Conteúdo Relacionado

Parabéns, metalúrgicos (as) e bancárias (os) – João Guilherme Vargas Netto 

Parabéns, metalúrgicos (as) e bancárias (os)Quero fazer meus os termos da indiscrição de Rubens Ricupero, trinta anos atrás e falar de coisas boas sem...

Os interesses por trás do debate sobre contas públicas e Previdência – Adilson Araújo

Está em curso no país uma ruidosa campanha unificada da direita e extrema direita alardeando a necessidade de um ajuste fiscal fundado numa nova...

Um legítimo filho da periferia – Rodrigo de Morais

Tenho muito orgulho de ter nascido e até hoje viver na periferia, lado a lado com o nosso povo, honesto e trabalhador, sempre de...

O Sindicato e a Organização Internacional do Trabalho – OIT – Milton de Araújo

a semana de 10 a 14 de junho, estive no evento da Organização Internacional do Trabalho – OIT, onde tive a oportunidade de me...

Dilemas da aposentadoria – Eduardo Annunciato Chicão

Na atualidade: Entrada na melhor idade ou pena de morte?A tão sonhada aposentadoria transformou-se num verdadeiro tormento para a maioria dos trabalhadores. Não deveria,...