Kim e o diabo – João Franzin

0
291
Luiz Tenório de Lima
João Franzin, jornalista e coordenador da Agência Sindical - [email protected]

Meu pai, humilde lavrador, alertava: – O diabo ensina fazer o caldeirão, mas não ensina fazer a tampa.

Ou seja, a pessoa abarrota o caldeirão e põe pra cozinhar. Porém, quando os ingredientes fervem e a pessoa procura tampar percebe que falta a peça. O diabo não ensinou como fazer a tampa!

O deputado Kim Kataguiri (DEM-SP) inventou um caldeirão, ou seja, emenda a Projeto de Lei, pela qual visa extinguir lei vigente desde o ano 2000, que proíbe o selfie-service nos 45 mil postos de combustíveis do País.

Ao fabricar seu caldeirão tosco, o deputado não levou em conta que o autosserviço pode mandar pro olho da rua mais de 400 mil trabalhadores. Tampouco que as pequenas empresas podem quebrar, porque não teriam meios pra comprar as bombas modernas, quitar o passivo trabalhista de todos os demitidos ou mesmo adaptar as instalações do posto pra um novo padrão de abastecimento.

De janeiro a setembro, deveria saber o desavisado parlamentar, o Estado de São Paulo registrou 5.093 ocorrências em postos de combustíveis – fora as intercorrências que foram deixadas de lado e, portanto, não constam nos B.Os. da Secretaria de Segurança Pública.

A internet e as redes de TV estão repletas de filmagens de assaltos e agressões em postos. A saber: Roubo (Artigo 157): 18,36%; Furto (Artigo 155), 15,49%; Furto qualificado (Artigo 155, parágrafo 4º), 4,65%; Lesão corporal (Artigo 129), 3,43%.

Tudo isso ocorreu mesmo ante a presença do frentista. Imagine um posto deserto, numa beira de estrada, em local ermo ou numa zona perigosa. O ladrão vai ficar de camarote à espera da vítima, fazer a abordagem e praticar o roubo assim que ela estiver com a mão na bomba, sem qualquer meio de reagir.

Flagrado com seu caldeirão do diabo fumegante, mas destampado, o deputado mudou de tática e apresentou emenda que propõe transição de cinco anos. Provavelmente, Kim não conhece um posto nem perceba que o setor – do visual, serviços, à modernização de equipamentos – passa por mudanças continuadas e melhorias constantes.

O deputado alega que o preço final, sem o frentista, cairá.

Não é verdade: o Dieese mostra que o salário do frentista varia de 1,72% a 1,80% do valor cobrado na bomba. E mais: ao facilitar a verticalização, permitindo que o distribuidor também venda gasolina, álcool e diesel, haverá cartelização do setor. Desde quando cartel baixa preço de alguma coisa?

Kim Kataguiri costuma se dizer democrata.

Mas, fique claro, para apresentar emenda que desemprega 400 mil e quebra pequenas empresas, ele não ouviu as representações de trabalhadores ou de patrões.

Sua emenda, diabólica, será derrotada.

Clique aqui e leia mais artigos de João Franzin.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui