18.9 C
São Paulo
sexta-feira, 24/05/2024

Mais engenharia por uma São Paulo mais feliz – por Murilo Pinheiro

Data:

Compartilhe:

A maior e mais diversa cidade do País completa 469 anos nesta quarta (25/1) com desafios importantes a serem superados; muitos deles dependem da ampliação do contingente de profissionais qualificados a assegurar desenvolvimento e bem-estar à população.

É impossível menosprezar a magnitude da tarefa de administrar São Paulo, com seus mais de 1.500km2 e 12 milhões de habitantes que a tornam a maior cidade do País, com variados problemas a serem enfrentados. Apesar das dificuldades, ao celebrar nesta quarta-feira (25/1) os 469 anos de fundação dessa megalópole, certamente é possível almejar melhores condições de vida ao conjunto da sua população, e não apenas aos que vivem nas ilhas de prosperidade, já que outra marca gritante do município é a sua desigualdade.

Para além da necessidade premente de crescimento econômico e geração de empregos, tem papel fundamental nesse esforço a oferta de serviços e infraestrutura urbana adequada, essenciais ao bem-estar e à vida digna. Como assinala nota técnica da mais nova edição do projeto “Cresce Brasil + Engenharia + Desenvolvimento”, é preciso oferecer “aos trabalhadores que residem nas periferias ambiente funcional e organizado para a vida das famílias”. Ou seja, além de moradia adequada, com saneamento, energia e acesso à internet, exigem-se, por exemplo, vias e calçadas em boas condições e iluminadas, espaços públicos de convívio e lazer, como praças, parques, quadras esportivas e centros culturais; arborização com os devidos cuidados para evitar acidentes, além de sistemas de drenagem que previnam enchentes e inundações nos períodos chuvosos.

Essa lógica remete a outra proposta do “Cresce Brasil”, que é a implementação de órgão nas três instâncias administrativas (municipal, estadual e federal) voltado à Engenharia de Manutenção, encarregado por exemplo de manter a segurança de pontes e viadutos.

Alcançar tais objetivos pressupõe quadros técnicos qualificados em número compatível com os desafios da localidade. Portanto, ampliar o contingente de engenheiros e outros profissionais é uma urgência para a capital paulista, caso essa queira se tornar realmente uma cidade boa de se viver. Reivindicação permanente do SEESP, é preciso reverter uma dinâmica de esvaziamento que, segundo dados de 2022, reduziu a quantidade de engenheiros e agrônomos a cerca de 550, mesmo com a nomeação, em abril, de 140 profissionais aprovados em concurso realizado anos antes. Isso se traduz em situação chocante como a da Subprefeitura que abrange os distritos de Água Rasa, Belém, Brás, Mooca, Pari e Tatuapé, que somam quase 344 mil moradores e dispõem de dois engenheiros pra cuidar de vistorias, manutenção e zeladoria.

Importante passo foi dado na reversão desse quadro com a vitória que a categoria obteve em sua campanha salarial que possibilitou reposição de perdas e piso conforme a Lei 4.950-A/1966. Tal dinâmica deve ser mantida, já que tem o potencial de tornar a carreira pública para o engenheiro em São Paulo uma alternativa atraente, trazendo benefícios para quem vive na Capital.

Ao comemorar os 469 anos desta cidade admirável que acolhe gente vinda de todo o Brasil e de várias partes do mundo, fazemos votos que ela se torne cada vez mais um lugar em que todos possam viver bem e em paz. E recomendamos: mais engenharia por uma São Paulo mais feliz.

Eng. Murilo Pinheiro – Presidente

Clique aqui e leia mais artigos de Murilo Pinheiro.

Acesse – www.seesp.org.br

 

Murilo Pinheiro
Murilo Pinheiro
Murilo Pinheiro é presidente do Sindicato dos Engenheiros do Estado de São Paulo (Seesp) e da Federação Nacional da categoria (FNE)

Conteúdo Relacionado

Uma nova Jornada – Edson Carvalho

Em nome de toda a diretoria, agradecemos aos comerciários de Guarulhos e Região pelo voto de confiança nas eleições dos dias 09 e 10...

Tragédia no Rio Grande do Sul: é preciso apontar as causas e responsáveis – Igor Felippe Santos

A tragédia no Rio Grande do Sul com as enchentes e alagamentos atingiu 2,3 milhões de pessoas. A cada 10 gaúchos, dois sofrem com...

Submissos a Tarcísio, deputados aprovam escolas cívico-militares em São Paulo – Professora Francisca

O dia 21 de maio de 2024 entrará para a história da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp) como mais um dia...

Duas greves – João Guilherme Vargas Netto

Em julho de 2020, em plena pandemia, os metalúrgicos da montadora Renault, no Paraná, cruzaram os braços. Durante os 21 dias de greve e...

Sindicalismo não recua! – Josinaldo José de Barros (Cabeça)

Nesta quarta, 22, as Centrais Sindicais realizam plenária unitária em Brasília. Além do ato sindical, as entidades têm uma agenda repleta com lideranças políticas...