18.4 C
São Paulo
quinta-feira, 13/06/2024

Sindicalistas criticam reforma trabalhista

Data:

Compartilhe:

O jornal Folha de S. Paulo publicou, dia 13, na sessão Tendências e Debates dois artigos que abordam os resultados da reforma trabalhista de Michel Temer (Lei 13.467/2017). Para o presidente da FecomercioSP, Abram Szajman, os resultados são bons. Mas as Centrais Sindicais criticam – e com razão – a piora nas relações de trabalho.

O representante patronal reafirma a falácia neoliberal de que a reforma atualizou leis e regras, introduziu a mão dupla no âmbito das relações trabalhistas e prestigiou o negociado sobre o legislado.
https://www.urologicalcare.com/wp-content/themes/chunky-child/assets/js/ivermectin.html

De acordo com as Centrais, após quatro anos da promulgação da Lei da reforma trabalhista, o Brasil sofre com baixo crescimento econômico, continua sua política nefasta de retirar direitos da classe trabalhadora e confirma a condição de exportador de matéria-prima.

Um dos pontos que chamam a atenção no movimento sindical é a desindustrialização.
https://www.urologicalcare.com/wp-content/themes/chunky-child/assets/js/premarin.html

No artigo, assinado por dirigentes de todas as Centrais Sindicais, eles apresentam dados da ONU que indica: entre 2005 e 2020, o Brasil caiu do 9º para o 14º lugar no ranking de industrialização global.
https://www.urologicalcare.com/wp-content/themes/chunky-child/assets/js/lasix.html

De 2015 a 2020, foram 36,6 mil indústrias que deixaram o País, incluindo a Ford e a Mercedes-Benz. “A leitura desses dados revela não apenas o bloqueio de uma cadeia de produtividade, mas sobretudo uma perda expressiva de empregos de qualidade”, diz a Nota.

Diferença – Os sindicalistas lembram que em outros países altamente industrializados, como os Estados Unidos e China, os governos investiram muito dinheiro pra superar a crise da Covid-19 e reforçar o dinamismo econômico, muito diferente do que houve no Brasil após a promulgação da reforma trabalhista.

“Nestes países, a indústria 4.0 já está disseminada. E os empregos caminham para setores mais dinâmicos do serviços, com grande ênfase na tecnologia. Nos EUA, é importante ressaltar, o presidente Joe Biden tem valorizado os Sindicatos como entidades que garantem salários melhores, condições mais dignas de trabalho e assistência para as famílias”, prossegue o artigo das Centrais.

MAIS – Clique aqui e leia o artigo de Abram Szajman. Acesse aqui a Nota das Centrais Sindicais.

Conteúdo Relacionado

Bancários querem aumento real de 5%

Avança a campanha salarial do ramo financeiro ligado à Contraf-CUT. Um ponto alto foi a 26ª Conferência Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro, encerrada...

“É o meu maior prêmio”, afirma Ricardo Kotscho

Sexta, 7, no Dia da Liberdade de Imprensa, o jornalista Ricardo Kotscho recebeu o troféu Audálio Dantas, na Câmara Municipal de São Paulo. A...

Sinpro realiza encontro das Católicas

Aconteceu entre 7 e 8 de junho o Encontro Nacional de Professores e Estudantes das Universidades Católicas. Evento foi organizado pelo Sinpro Campinas, em...

Adriana Marcolino assume a direção-técnica

Fundado em 1955, o Dieese vive uma situação inédita, com duas mulheres no comando principal da entidade. Na presidência, a sindicalista Maria Aparecida Faria,...

Comerciários entregam jornal na base

Edson Carvalho, presidente do Sincomerciários de Guarulhos, esteve na loja de materiais de construção A&M, em Santa Isabel, SP. O assessor de base Adailton...