16.3 C
São Paulo
quarta-feira, 29/05/2024

Recado claro

Data:

Compartilhe:

João Guilherme Vargas Netto é consultor sindical e membro do Diap. E-mail: joguvane@uol.com.br

Não é coincidência; é causa e efeito.

No mesmo dia, em que os metalúrgicos da Renault voltaram ao trabalho, depois de três semanas de greve vitoriosa em que a empresa foi obrigada a desfazer as 747 demissões, a GM negociou com o Sindicato dos Metalúrgicos de São Caetano (SP) um plano de lay-off e suspensão de contratos até março e um PDV, no qual até um carro novo entrava como chamariz. Mas não demitiu.

A disposição das montadoras não era esta em junho quando a Nissan demitiu 398 trabalhadores em Resende e o presidente da Anfavea declarou que “o emprego está em risco sim”.

Em julho, a diretoria da Renault resolveu “passar a boiada” com um pacote fechado de medidas lesivas aos trabalhadores e cuja maldade máxima era a demissão de 747 deles, muitos doentes e afastados.

A empresa apresentou ao sindicato um ultimato não admitindo a mínima discussão e implementando as medidas intempestivamente.

A reação dos trabalhadores e do sindicato foi imediata e em assembleia determinaram a greve que se generalizou nos turnos da empresa.

A condução sindical foi exemplar porque o sindicato e sua diretoria, liderada pelo presidente Sergio Butka, vinha desde sempre se preparando e se organizando como sindicato de luta e de força, unitário e representativo.

Ao mesmo tempo em que se sustentava na unidade dos trabalhadores agiu para ampliar os apoios no movimento sindical (até mesmo internacional), no mundo político, no mundo jurídico e na opinião pública, desencadeando um movimento familiar de apoio aos grevistas em defesa dos demitidos.

Com a atitude sindical firme, a Justiça do Trabalho deu ganho de causa aos trabalhadores e o Sindicato voltou a negociar com a empresa um protocolo que era encabeçado pela readmissão dos demitidos. A greve vitoriosa foi suspensa com votações presenciais e eletrônicas maciças dos trabalhadores e o recado foi claro: não às demissões, sim às negociações com o sindicato. A boiada não passou!

Parece que a GM e as montadoras em geral entenderam o recado dos metalúrgicos do Paraná.

 

Conteúdo Relacionado

Compromissos em Brasília e com o Brasil – Josinaldo José de Barros

Não vou com frequência a Brasília. Mas na semana passada cumpri duas extensas agendas na Capital, de quarta a sábado.Quarta, 22, participei com nosso...

A Inflação e o Salário dos Trabalhadores: Como a Política da Direita Enfraquece o Poder de Compra – Paulo Viana

Nos últimos anos, temos vivido tempos desafiadores no que diz respeito à economia do nosso país. Um dos temas mais preocupantes para os trabalhadores...

Meio ambiente e ambiente inteiro – João Guilherme Vargas Netto

Nos anos 80 do século passado começou a ficar costumeira a expressão “meio ambiente” referindo-se aos problemas climáticos e ambientais.Um influenciador sindical (como diríamos...

Militares reclamam de fake news bolsonaristas – Altamiro Borges

As mentiras espalhadas pelo esgoto digital bolsonarista sobre a tragédia no Rio Grande do Sul têm incomodado até as Forças Armadas. Nesta sexta-feira (10),...

Municípios marcham em Brasília – Luiz Carlos Motta

Provavelmente você deve ter acompanhado as notícias sobre a tradicional e recente “Marcha dos Prefeitos em Defesa dos Municípios” que, este ano, teve a...