18.7 C
São Paulo
sexta-feira, 24/05/2024

Tempos melhores com muito trabalho – Murilo Pinheiro

Data:

Compartilhe:

Perspectivas são de bons resultados neste ano que se inicia. Mas, para que isso se confirme, é preciso aproveitar o cenário favorável adequadamente, com planejamento, mas também com ousadia. Está mais que na hora de retomar um projeto de desenvolvimento consistente, gerando postos de trabalho formais, com direitos assegurados, e bem remunerados.

Embora longe de superar plenamente as dificuldades socioeconômicas acumuladas na longa crise enfrentada nos últimos anos, o Brasil encerrou 2023 com indicadores positivos, permitindo vislumbrar bons resultados para o ano que se inicia. Com inflação e desemprego em queda, taxa básica de juros finalmente caminhando para patamares mais razoáveis e crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) acima das expectativas, é possível contar com possibilidade de avanços mais significativos neste ano que se inicia.

Contudo, para que isso se confirme, é preciso aproveitar o cenário favorável adequadamente, com planejamento, mas também com ousadia. Está mais que na hora de retomar um projeto de desenvolvimento consistente, que possa fazer a diferença na economia nacional, gerando postos de trabalho formais, com direitos assegurados, e bem remunerados.

São muito positivas medidas como o lançamento da terceira edição do Plano de Aceleração do Crescimento (PAC) pelo governo federal e, muito especialmente, a intenção de retomar obras paralisadas, assim como a destinação de mais recursos para ensino, pesquisa e desenvolvimento, além do financiamento da infraestrutura.

Mas o Estado brasileiro, de forma séria e competente, deve cumprir seu papel de indutor do desenvolvimento decisivamente, atuando estrategicamente para que o País aproveite o seu potencial em sintonia com a transformação digital e as demandas ambientais a cada dia mais urgentes.

Nesse sentido, recuperar a indústria nacional precocemente encolhida precisa ser prioridade absoluta, sempre com foco nos desafios da sustentabilidade e nas demandas nacionais. Ponto essencial nessa empreitada, conforme vem apontando o projeto “Cresce Brasil + Engenharia + Desenvolvimento”, é estabelecer internamente uma indústria de semicondutores que elimine a dependência do mercado externo em relação a esses componentes, que são essenciais na atualidade e serão ainda mais no futuro.

O mesmo vale para insumos da agropecuária, como fertilizantes, ou das indústrias farmacêutica e médico-hospitalar. É preciso saber aproveitar os recursos e cérebros disponíveis para assegurar geração de riqueza, bem-estar público e soberania. Crucial também é traçar uma direção de estruturação energética rumo à transição para fontes limpas.

O Brasil dispõe de amplas condições de cumprir essa agenda ambiciosa, mas, para tanto, será necessário haver muita determinação e a disposição de construir um projeto coletivo. A engenharia nacional, por meio de suas entidades representativas como a Federação Nacional dos Engenheiros (FNE) e seus sindicatos filiados e dos seus profissionais de altíssimo nível, está a postos para contribuir com a construção do país que todos desejamos.

Iniciemos 2024 de mangas arregaçadas e unidos em torno desse objetivo. Saúde, paz e prosperidade a todos!

Eng. Murilo Pinheiro – Presidente da Federação Nacional dos Engenheiros e do Sindicato paulista.

Conteúdo Relacionado

Uma nova Jornada – Edson Carvalho

Em nome de toda a diretoria, agradecemos aos comerciários de Guarulhos e Região pelo voto de confiança nas eleições dos dias 09 e 10...

Tragédia no Rio Grande do Sul: é preciso apontar as causas e responsáveis – Igor Felippe Santos

A tragédia no Rio Grande do Sul com as enchentes e alagamentos atingiu 2,3 milhões de pessoas. A cada 10 gaúchos, dois sofrem com...

Submissos a Tarcísio, deputados aprovam escolas cívico-militares em São Paulo – Professora Francisca

O dia 21 de maio de 2024 entrará para a história da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp) como mais um dia...

Duas greves – João Guilherme Vargas Netto

Em julho de 2020, em plena pandemia, os metalúrgicos da montadora Renault, no Paraná, cruzaram os braços. Durante os 21 dias de greve e...

Sindicalismo não recua! – Josinaldo José de Barros (Cabeça)

Nesta quarta, 22, as Centrais Sindicais realizam plenária unitária em Brasília. Além do ato sindical, as entidades têm uma agenda repleta com lideranças políticas...