18.7 C
São Paulo
sexta-feira, 24/05/2024

Três propostas a Marinho. Por João Franzin

Data:

Compartilhe:

Luiz Marinho foi metalúrgico, dirigente sindical, ministro do Trabalho, prefeito de São Bernardo e agora volta a ocupar a Pasta do Trabalho e Emprego. É experiente, portanto.
Num governo progressista, cujo presidente da República é também ex-metalúrgico e ex-dirigente sindical, o Ministério do Trabalho tem que ser Pasta forte.

Como Luiz Marinho trabalha nesse sentido, deixo aqui três sugestões:

1) Reequipar o Ministério.
A Pasta foi destroçada pelo governo Bolsonaro. Sugiro que o ministro Marinho comece a reforçar o Ministério, com equipes e equipamentos, a partir dos municípios com mais de 500 mil habitantes. São 41, reunindo população de 58,8 milhões. Neles, vive grande parte da massa trabalhadora urbana.

2) Campanha contra acidentes
Promover, em âmbito nacional, na mídia comercial, na imprensa sindical e outros canais progressistas, uma ampla campanha contra a insegurança e os acidentes de trabalho. Acidente significa sofrimento pessoal e às famílias. Acidente gera despesas previdenciárias. Acidente derruba a produtividade.

3) Campanha nacional de sindicalização
Nos mesmos canais apontados no Item 2. Mostrar que a sindicalização agrega pessoas e grupos sociais, valoriza as entidades de classe, eleva a conscientização dos trabalhadores, reduz a rotatividade e ajuda a elevar salários.

Sugeri isso ao ministro Marinho, durante live recente, e ele, educadamente, saiu pela tangente, sob alegação de que essa tarefa cabe mais às entidades e às Centrais Sindicais e que não é bem esse o papel de um órgão governamental. Mas as Centrais, cá entre nós, não sindicalizam.

De todo modo, retorno aos temas e espero de Luiz Marinho a compreensão de que sindicalizar significará agregar pessoas em torno de uma agenda construtiva, ajudando a reduzir os impactos da insidiosa divisão promovida pelo bolsonarismo.

O combate aos acidentes ajudará a própria rede pública de saúde, que é ocupada quando chegam aos postos e hospitais os afetados, atingidos ou mutilados nos ambientes de trabalho.

Em tempo: sou sindicalizado desde 1979.

João Franzin. Jornalista da Agência Sindical. Matrícula no Sindicato – 6068-SP.

Acesse – www.facebook.com/joao.franzin.1

Clique aqui e leia mais artigos de João Franzin.

Conteúdo Relacionado

Uma nova Jornada – Edson Carvalho

Em nome de toda a diretoria, agradecemos aos comerciários de Guarulhos e Região pelo voto de confiança nas eleições dos dias 09 e 10...

Tragédia no Rio Grande do Sul: é preciso apontar as causas e responsáveis – Igor Felippe Santos

A tragédia no Rio Grande do Sul com as enchentes e alagamentos atingiu 2,3 milhões de pessoas. A cada 10 gaúchos, dois sofrem com...

Submissos a Tarcísio, deputados aprovam escolas cívico-militares em São Paulo – Professora Francisca

O dia 21 de maio de 2024 entrará para a história da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp) como mais um dia...

Engenharia pode ajudar Sul a se reerguer

Há vários anos, o Sindicato dos Engenheiros no Estado de São Paulo (Seesp) e a Federação Nacional da categoria defendem que Prefeituras e governos...

Plenária une ação de massa e diálogo político

Um sindicalista metalúrgico presente à Plenária Unitária das Centrais nesta quarta (22), em Brasília, avaliou como “muito positivas as ações de massa e também...