18 C
São Paulo
quinta-feira, 13/06/2024

Varejo sofre o impacto da falta de crédito – Por Ricardo Patah

Data:

Compartilhe:

Estamos vivenciando dias difíceis no varejo, especialmente nos setores não alimentares, dada a retração no consumo, especialmente fragilizado pela perda de renda da população. As grandes e médias empresas estão sendo impactadas como um
todo em função desta crise e, com isso, há uma retração ao acesso do crédito. Se voltarmos há 3 anos, o segmento acabava de entrar numa pandemia que afetou gravemente a saúde financeira das empresas.

O evento inesperado das Lojas Americanas levantou suspeitas em relação ao setor de varejo como um todo no Brasil. Com isso, o humor do mercado tem sido bastante negativo, gerando repercussão ruim em todo o setor. Como resultado desta crise, ocorreu uma contrarreação do setor bancário e financeiro, que resulta num fechamento praticamente total do acesso à crédito. O estrangulamento dos varejistas asfixia de forma severa a totalidade da cadeia.

Percebemos no Sindicato dos Comerciários de São Paulo, com intensidade, uma piora rápida na condição de pagamento das empresas, que não conseguem rolar suas dívidas e se veem com dificuldade de honrar seus compromissos com fornecedores. Isso pode sinalizar um risco de não pagamento de seus trabalhadores. Este impacto no varejo tem feito o governo demonstrar preocupação com o nível da taxa de juros básica da economia, que encarece de forma exponencial, em termos reais, o custo financeiro das operações de capital de giro simples para as empresas.

As instituições financeiras já sugeriram ao BNDES que haja funding do banco de desenvolvimento ou garantias do Tesouro Nacional para manter o crédito à cadeia de fornecedores das grandes varejistas. A sugestão foi feita no fim de fevereiro em reunião entre dirigentes da Federação Brasileira de Bancos (Febraban) e o BNDES, representado no encontro por Aloizio Mercadante, como um dos associados.

O fato é que o setor de varejo é muito grande. Especificamente, o de vestuário, calçados e têxtil conta com 130 mil lojas e emprega 775 mil funcionários. A cadeia de fornecimento conta com 3.800 fornecedores diretos e subcontratados e emprega 425 mil funcionários, de acordo com a Associação Brasileira do Varejo Textil. O estrangulamento dos varejistas asfixia de forma severa a totalidade da cadeia e uma eventual crise generalizada no setor pode trazer consequências inesperadas. O governo, infelizmente, não consegue agir e sair rapidamente do imobilismo. Não é fácil mesmo.

Trago aqui uma ideia talvez mais rápida para ser estruturada: oxigenar o setor e seus fornecedores por meio da disponibilização de linhas de capital de giro pelos bancos públicos federais e estaduais, mediante constituição de garantias com lastro em créditos fiscais, em nível federal e estadual, em processos já transitados em julgado, no âmbito do Judiciário.

Para finalizar, urge que o governo tome medidas para acabar com a concorrência desleal imposta pela “isenção tributária” que ocorre na prática na nacionalização de produtos importados via comercio eletrônico, no segmento varejista de vestuário, calçados e têxtil. Isso pode ser feito pela aplicação correta da legislação em vigor, quebrando a inércia irresponsável do governo anterior. Não se trata de proibir a importação, mas de promover equidade no tratamento tributário. Isentam-se todos ou taxam-se todos, de forma igual. Tanto os produtos importados como os fabricados no Brasil deveriam ter o mesmo tratamento tributário. Isentar apenas os importados é promover a exportação injustificada de
empregos.

Fato é que nenhuma empresa quer fechar, nenhuma empresa quer falir e, junto aos mecanismos econômicos e de gestão, se faz necessário unir esforços para a reconstrução deste setor tão importante para o desenvolvimento do país e para a geração de renda do povo brasileiro. Vamos evitar a perda desnecessária de empregos e de arrecadação de impostos!

Ricardo Patah, presidente da UGT (União Geral dos Trabalhadores); presidente do Sindicato dos Comerciários de São Paulo

 

Conteúdo Relacionado

Bancários querem aumento real de 5%

Avança a campanha salarial do ramo financeiro ligado à Contraf-CUT. Um ponto alto foi a 26ª Conferência Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro, encerrada...

O capital quer sindicatos sem dinheiro e trabalho infantil – Marcos Verlaine

Se depender dos patrões, do chamado mercado e do capital, os sindicatos no Brasil serão asfixiados financeiramente e morrerão à míngua. Isto de 1...

“É o meu maior prêmio”, afirma Ricardo Kotscho

Sexta, 7, no Dia da Liberdade de Imprensa, o jornalista Ricardo Kotscho recebeu o troféu Audálio Dantas, na Câmara Municipal de São Paulo. A...

Sinpro realiza encontro das Católicas

Aconteceu entre 7 e 8 de junho o Encontro Nacional de Professores e Estudantes das Universidades Católicas. Evento foi organizado pelo Sinpro Campinas, em...

A privatização no Brasil – Paulo Henrique Viana

Os pontos negativos da privatização no Brasil Um dos principais argumentos contra a privatização é a questão da acessibilidade. Quando serviços públicos essenciais, como energia,...