19.8 C
São Paulo
sábado, 22/06/2024

Vitória aos comerciários!

Data:

Compartilhe:

São frequentes no Congresso Nacional as ameaças aos direitos trabalhistas. Atento a isso, tenho reforçado minha atenção a fim de evitar retrocessos. Foi o que se viu terça, 12, quando a Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público da Câmara aprovou parecer por mim elaborado pró-rejeição do PL 6.603/19, do qual fui relator. Nessa condição, me opus à tentativa de prejudicar a vida dessa laboriosa categoria, em função de lucros. Minha rejeição foi aprovada pela única Comissão destinada a analisar o mérito da proposta. Mais de 12 milhões de trabalhadores em todo o Brasil se livraram da imposição de negociação de jornada de forma individual, em vez de coletiva, como é prática na categoria há muitos anos. Agora, a expectativa é que seja arquivada.

Negociação coletiva

De autoria do deputado Paulo Ganime (Novo/RJ), o PL visava alterar a lei que trata da regulamentação do exercício da profissão de comerciário, na intenção de adequar a jornada de trabalho da categoria à dos trabalhadores em geral. O projeto permitia que a jornada fosse alterada por acordos individuais.
https://primeraeyecare.com/wp-content/themes/consultstreet/inc/customizer/custom/nolvadex.html

Por isso, defendi a exigência da negociação coletiva pra alterar a jornada de trabalho no comércio.
https://primeraeyecare.com/wp-content/themes/consultstreet/inc/customizer/custom/cymbalta.html

Lei 12.790

Importante ressaltar que essa jornada de trabalho é estabelecida em Convenção Coletiva com a participação dos Sindicatos, conforme a Lei 12.790/13, que trata da Regulamentação da Profissão de Comerciário, conquistada pela unidade nacional do movimento sindical dos empregados no comércio. Entre outras garantias, ela dispõe que, nos turnos de revezamento, seja admitida a jornada de seis horas, proibindo-se o trabalho do mesmo empregado em mais de um turno, salvo negociação coletiva.
https://primeraeyecare.com/wp-content/themes/consultstreet/inc/customizer/custom/flexeril.html

Proteção

Tenho a honra de ser o primeiro comerciário eleito deputado federal pelo Estado de São Paulo. Na Câmara, reafirmo o meu posicionamento de defesa intransigente dos direitos dos trabalhadores fazendo valer a afirmação que sempre defendo: trabalhador forte é aquele que conta com a proteção coletiva.  Essa vitória dos comerciários ante matéria que tinha por objetivo alterar a lei que trata da regulamentação do exercício da profissão de comerciário fortalece o poder de negociação.

Luiz Carlos Motta é Deputado Federal (PL/SP)

Conteúdo Relacionado

Parabéns, metalúrgicos (as) e bancárias (os) – João Guilherme Vargas Netto 

Parabéns, metalúrgicos (as) e bancárias (os)Quero fazer meus os termos da indiscrição de Rubens Ricupero, trinta anos atrás e falar de coisas boas sem...

Os interesses por trás do debate sobre contas públicas e Previdência – Adilson Araújo

Está em curso no país uma ruidosa campanha unificada da direita e extrema direita alardeando a necessidade de um ajuste fiscal fundado numa nova...

Um legítimo filho da periferia – Rodrigo de Morais

Tenho muito orgulho de ter nascido e até hoje viver na periferia, lado a lado com o nosso povo, honesto e trabalhador, sempre de...

O Sindicato e a Organização Internacional do Trabalho – OIT – Milton de Araújo

a semana de 10 a 14 de junho, estive no evento da Organização Internacional do Trabalho – OIT, onde tive a oportunidade de me...

Dilemas da aposentadoria – Eduardo Annunciato Chicão

Na atualidade: Entrada na melhor idade ou pena de morte?A tão sonhada aposentadoria transformou-se num verdadeiro tormento para a maioria dos trabalhadores. Não deveria,...