13.2 C
São Paulo
domingo, 21/07/2024

A Pátria de chuteiras – por Josinaldo Barros

Data:

Compartilhe:

O escritor Nelson Rodrigues é autor da frase histórica: “A Seleção é a Pátria de chuteiras”. Ou seja, o selecionado canarinho nos une de Norte a Sul, de Leste a Oeste.

Nossa Pátria de chuteiras entra em campo amanhã, quinta, contra a Sérvia. Eu estou otimista. Acho o grupo escolhido muito bom, menos um ou outro que está fora de forma e com idade ultrapassada.

Muito já se escreveu sobre o futebol. Um dos aspectos abordados é sua força na ascensão – garotos pobres, negros, mulatos e mestiços em geral conseguem subir na escala social e econômica, ajudando também a melhorar a vida de familiares e de suas comunidades.

Nenhum País do mundo consegue produzir tantos bons jogadores quanto o Brasil. Somos um celeiro de craques e só não tornamos o futebol um negócio com escala e amplos ganhos para a sociedade porque a cartolagem atrapalha.

Mas o futebol não é só esporte ou negócio. Nosso futebol também expressa a cultura nacional e o jeito típico e criativo do brasileiro. Didi criou a folha-seca, um chute que fazia a bola descrever uma curva fatal e balançar a rede. Garrincha universalizou o drible em sequência. Pelé escreveu a mais brilhante página do mundo da bola, com suas jogadas impressionantes, bicicletas e mais de 1.200 gols.

Carretilha, drible da vaca, chapéu, lençol, elástico, caneta, chaleira, pelada, matador, cabeça de bagre e tantas outras expressões nosso futebol legou para os brasileiros. E ensinamentos criativos. Por exemplo: bola pro mato que o jogo é de campeonato.

Há um rico folclore acerca do futebol. O técnico mais folclórico da nossa história foi o Neném Prancha, do Olaria, no Rio. Contam dele que o time não marcava gol e decidiu contratar um centroavante matador. Um jogo, dois jogos, três jogos, e nada de gol. O atleta entrou em crise e foi procurar o técnico.

A história: – “Seu Neném, eu tô jogando muito isolado lá na frente. – Mas por que, meu filho? – Porque o meio-campo não me lança a bola. – Mas você pede? – Peço, seu Neném? – E ainda assim continua isolado? – Sim, senhor”. – Peraí, meu filho, você pede a bola ou se desloca? – Não, eu peço”. E Neném tascou: – “Meu filho. É assim: quem pede recebe, mas quem desloca tem preferência”.

Na nossa vida também é assim. Não basta pedir. É preciso se deslocar, porque quem se desloca (ou seja, vai à luta) tem preferência.

Sucesso à nossa Seleção. Tenho fé que vamos trazer essa Taça pra casa.

DIA 20 – Domingo foi o Dia da Consciência Negra. Observo que entre os maiores do futebol brasileiro estão os mulatos e negros: Artur Friendereich, Leônidas, Carlos Alberto, Zizinho, Didi, Dener, Pelé, Ronaldo Nazário, Ronaldinho Gaúcho e tantos outros. O que eles tiveram? Tiveram chance. Eu digo: dê chance e apoio ao brasileiro que este País vira uma potência em poucos anos.

Josinaldo José de Barros (Cabeça)
Presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Guarulhos e Região.
Email – josinaldo@metalurgico.org.br
Site – www.metalurgico.org.br

Clique aqui e leia mais artigos

Josinaldo - Cabeça
Josinaldo - Cabeça
Josinaldo José de Barros (Cabeça), presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Guarulhos e Região Email - josinaldo@metalurgico.org.br

Conteúdo Relacionado

Mobilização nacional pela redução das taxas de juros – Adilson Araújo

CTB na luta pela redução da taxa de jurosAproxima-se a data definida pelas centrais sindicais para a realização de uma manifestação nacional pela redução...

Morrer pobre não é opção: é uma imposição! – Eduardo Annunciato Chicão

Quantas pessoas você conhece que querem morrer pobres? Mesmo alguém mais simples, com pouca ou nenhuma escolaridade, que não foi dominado pela ambição materialista...

Debate sobre financiamento da Previdência Social não pode ser de cima para baixo – Milton Cavalo

Uma conversa entre o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, e o senador do Distrito Federal, Izalci Lucas (PL), durante a última sessão ordinária da...

O bolsonarismo define estratégia para 2026: o Senado Federal – Marcos Verlaine,

Como o principal líder do bolsonarismo — apelido dado à extrema-direita brasileira — está inelegível até 2030 — esse segmento político, que até 2013...

O papel social do esporte -Ricardo Pereira de Oliveira

Um problema antigo no Brasil é a falta de continuidade nos projetos, obras ou iniciativas que dão certo.Por isso, considero um tremendo êxito o...