19.8 C
São Paulo
sábado, 22/06/2024

A precarização do trabalho disfarçada de autonomia – Por Eusébio Pinto Neto

Data:

Compartilhe:

A retirada de direitos trabalhistas nos governos de Temer e Bolsonaro, a falta de investimento na cadeia produtiva e o avanço da tecnologia contribuíram para a precarização da mão de obra no Brasil. Nos últimos anos, houve uma verdadeira campanha contra o trabalho formal, o que fez com que a informalidade crescesse, mascarada de empreendedorismo. O subemprego no país remonta ao tempo da escravidão.

Enquanto o governo Lula estuda regulamentar o trabalho por aplicativo, a pressão aumenta para barrar a formalização. A Amobitec, associação que representa os principais aplicativos de mobilidade, realizou uma pesquisa para traçar o perfil desses autônomos. A maioria é composta por homens, com idade média de 30 anos, da classe C, com baixa escolaridade e que se autodeclaram pretos e pardos. Mais de 1,6 milhão de pessoas trabalham sem direitos e proteção. Muitas pessoas migraram para os aplicativos por falta de alternativa de trabalho.

online pharmacy buy zoloft no prescription pharmacy

A estagnação dos salários também empurrou trabalhadores celetistas para o bico nos aplicativos.

Sem direitos trabalhistas e previdenciários, com jornadas exaustivas — que incluem atividades nos fins de semana — esses brasileiros se viram para sustentar suas famílias. Estão expostos e se arriscam diariamente, mas, ainda assim, declararam que preferem continuar trabalhando por conta própria. A pesquisa não mostra a realidade, tanto que os sindicatos de motoboys defendem o reconhecimento da relação de emprego.

online pharmacy buy symbicort no prescription pharmacy

Além do vínculo formal, esses trabalhadores têm cobrado aumentos nos valores mínimos e regras mais claras para bloqueios.

Esse grupo de empresas virtuais, em geral sediadas no exterior, obtém lucros exorbitantes, sem qualquer custo ou risco para o negócio. Há um interesse em glamorizar a mão de obra precarizada. Precisamos tirar a venda dos olhos, para ter uma visão mais clara do jogo do capital. Quando ocorrem acidentes ou doenças, esses trabalhadores ficam desamparados.

online pharmacy buy trazodone no prescription pharmacy

Os acidentes envolvendo motos, em vias e rodovias de todo país, são crescentes e representam mais de 40% das mortes no trânsito.

Há os que defendem uma terceira via regulatória para resolver as disputas entre empresas de tecnologia e seus trabalhadores. A via humana é o trabalho formal, com salário digno. Não podemos aceitar a precarização do trabalho disfarçada de autonomia.

Por Eusébio Pinto Neto. Presidente da Fenepospetro e do Sinpospetro-RJ

Conteúdo Relacionado

Parabéns, metalúrgicos (as) e bancárias (os) – João Guilherme Vargas Netto 

Parabéns, metalúrgicos (as) e bancárias (os)Quero fazer meus os termos da indiscrição de Rubens Ricupero, trinta anos atrás e falar de coisas boas sem...

Os interesses por trás do debate sobre contas públicas e Previdência – Adilson Araújo

Está em curso no país uma ruidosa campanha unificada da direita e extrema direita alardeando a necessidade de um ajuste fiscal fundado numa nova...

Um legítimo filho da periferia – Rodrigo de Morais

Tenho muito orgulho de ter nascido e até hoje viver na periferia, lado a lado com o nosso povo, honesto e trabalhador, sempre de...

O Sindicato e a Organização Internacional do Trabalho – OIT – Milton de Araújo

a semana de 10 a 14 de junho, estive no evento da Organização Internacional do Trabalho – OIT, onde tive a oportunidade de me...

Dilemas da aposentadoria – Eduardo Annunciato Chicão

Na atualidade: Entrada na melhor idade ou pena de morte?A tão sonhada aposentadoria transformou-se num verdadeiro tormento para a maioria dos trabalhadores. Não deveria,...