19.8 C
São Paulo
sábado, 22/06/2024

Acidentes inaceitáveis – Josinaldo Barros (Cabeça)

Data:

Compartilhe:

O Brasil precisa resolver muitos problemas estruturais. Um problema persistente têm sido as más condições de trabalho, que geram doenças, acidentes, mutilações, mortes, sofrimento às famílias e muitas despesas previdenciárias.

Por isso, a explosão em Palotina, Paraná, que matou oito trabalhadores e deixou muitos feridos, não pode ser vista como fato extraordinário. Lamentavelmente, não.

Segundo a Organização Internacional do Trabalho (OIT), ocorreram 612,9 mil acidentes de trabalho no ano passado. O número de mortes, oficialmente registradas, chegou a 2.358 – o que é um absurdo. Esses números se referem aos regularmente contratados. E os informais?

A mesma OIT informa que, de 2012 a 2022, foram comunicados 6,7 milhões de acidentes e houve 25,5 mil mortes. As informações se baseiam em Comunicações de Acidentes de Trabalho feitas ao INSS – Instituto Nacional do Seguro Social.

Eu nunca soube de dono de empresa ou alto executivo morto em acidente de trabalho. Os acidentes atingem mesmo é a massa trabalhadora, os operacionais, os braçais, como os sete haitianos mortos na gigante C.Vale.

Mas lamentar não resolve. O que vai resolver são atitudes firmes, organizar Comissão Interna de Prevenção de Acidentes atuante por empresa, treinar cipeiros, isolar áreas perigosas e promover a cultura preventiva. Só no mês de julho, nosso Sindicato notificou mais de 100 empresas para que regularizarem as Cipas. Se na sua empresa não tem, procure o Sindicato. Ligue 2463.5300.

Fazemos a nossa parte, mas o empresariado precisa fazer a dele. Cipa de fachada e maquiagem do local de trabalho só empurram o problema com a barriga. Gambiarra não dá certo e, mais dias, menos dias, o acidente acontece.

O governo precisa fazer a parte dele. Principalmente o Ministério do Trabalho e Emprego. Proponho que a Pasta lidere uma campanha nacional por segurança, mobilizando entidades sindicais, Fundacentro, Universidades, o Diesat, o Sistema S e outras organizações ligadas ao trabalho.

Entre 2012 e 2022, houve 2,3 milhões de afastamentos pelo INSS por doenças e acidentes de trabalho. O gasto com benefícios previdenciários acidentários, em valores nominais, já chega a R$ 136 bi, incluindo-se auxílios-doença, aposentadorias por invalidez, pensões por morte e auxílios-acidente relacionados ao trabalho.

Em primeiro lugar está a vida humana. Mas temos que pensar também na produtividade. Acidentes e doenças baixam a produtividade, pois abalam o psicológico e desfalcam o quadro produtivo. Quando a produtividade cai todos perdem. País que tenha projeto precisa colocar o trabalho no centro de sua estratégia. Trabalho decente.

Proponho também que o Ministério do Trabalho, com a OIT, estimule a certificação positiva, destacando as empresas exemplares no respeito à segurança e à vida dos trabalhadores.

Josinaldo José de Barros (Cabeça)
Presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Guarulhos e Região.
Diretoria Metalúrgicos em Ação

Email – josinaldo@metalurgico.org.br
Site – www.metalurgico.org.br
Facebook: /cabecametalurgico
Clique aqui e leia mais opiniões
Josinaldo - Cabeça
Josinaldo - Cabeça
Josinaldo José de Barros (Cabeça), presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Guarulhos e Região Email - josinaldo@metalurgico.org.br

Conteúdo Relacionado

Parabéns, metalúrgicos (as) e bancárias (os) – João Guilherme Vargas Netto 

Parabéns, metalúrgicos (as) e bancárias (os)Quero fazer meus os termos da indiscrição de Rubens Ricupero, trinta anos atrás e falar de coisas boas sem...

Os interesses por trás do debate sobre contas públicas e Previdência – Adilson Araújo

Está em curso no país uma ruidosa campanha unificada da direita e extrema direita alardeando a necessidade de um ajuste fiscal fundado numa nova...

Um legítimo filho da periferia – Rodrigo de Morais

Tenho muito orgulho de ter nascido e até hoje viver na periferia, lado a lado com o nosso povo, honesto e trabalhador, sempre de...

O Sindicato e a Organização Internacional do Trabalho – OIT – Milton de Araújo

a semana de 10 a 14 de junho, estive no evento da Organização Internacional do Trabalho – OIT, onde tive a oportunidade de me...

Dilemas da aposentadoria – Eduardo Annunciato Chicão

Na atualidade: Entrada na melhor idade ou pena de morte?A tão sonhada aposentadoria transformou-se num verdadeiro tormento para a maioria dos trabalhadores. Não deveria,...