20.1 C
São Paulo
terça-feira, 23/04/2024

Avanços femininos – Mônica Veloso

Data:

Compartilhe:

As conquistas femininas são gradativas. Mas elas não acontecem sem luta. Esses avanços também estão desvinculados às lutas gerais da sociedade, em defesa de direitos ou ampliação das garantias democráticas.

Completamos hoje 90 anos do direito ao voto, e podemos exercer esta cidadania livremente. Mas sem as lutas do passado, na Europa, Estados Unidos e aqui, essa conquista certamente teria sido retardada em anos ou em décadas.

Hoje, a mulher tem garantias na legislação trabalhista. Porém, esses avanços dependeram em muito da pressão feminina na Assembleia Nacional Constituinte. Nos governos democráticos, houve pressão e negociação.

De algumas décadas para cá, nós dispomos das Delegacias da Mulher.
https://primeraeyecare.com/wp-content/themes/consultstreet/inc/customizer/custom/temovate.html

Esse avanço foi produto das lutas e eu destaco aqui o papel do Conselho Estadual da Condição Feminina, hoje dirigido pela valente Delegada Rose.

A mulher conta com a Lei Maria da Penha, que pune drasticamente o agressor e ajuda a inibir a violência doméstica e outras formas de agressão.
https://primeraeyecare.com/wp-content/themes/consultstreet/inc/customizer/custom/albuterol.html

De uns anos para cá, avançamos também na luta contra o assédio moral, psicológico e sexual. E o assédiopassou a ser crime.

Então, está tudo bem para a mulher? De jeito nenhum. Na pandemia, aumentou muito a violência doméstica. Também cresceu o feminicídio, ou seja, o crime que se caracteriza pela vontade explícita de matar a mulher… pelo fato de ser mulher. Crime bárbaro.

Mas tem dois setores onde precisamos avançar, e muito. Um é o mercado de trabalho. Outro é a política. A mulher ganha menos que o homem, e ainda que tenha formação escolar melhor recebe salário mais baixo. Se for negra, a situação é bem pior. Além de ganhar menos, as companheiras não têm oportunidades de ascensão profissional e salarial.

Injustiça e racismo. E na política? Estamos sub-representadas. Sem ocupar este espaço com mais mulheres comprometidas com nossas pautas, as dificuldades aumentam, na fragilidade de políticas públicas que não nos atendem. Embora sejamos maioria do eleitorado, somos minoria ínfima nas Câmaras, Assembleias, Congresso Nacional, Secretarias e nos Ministérios.

Observe: o presidente da República é homem, seu vice é homem, o presidente da Câmara é homem e o presidente do Senado também. Onde estão as mulheres? Esta é a pergunta.

E o que está errado precisa ser corrigido. As mulheres devem puxar a luta contra a violência, contra o assédio, contra a discriminação profissional, as desigualdades salariais e a baixa presença política. Mas esta tarefa é responsabilidade de todos nós, homens e mulheres.
https://primeraeyecare.com/wp-content/themes/consultstreet/inc/customizer/custom/clomid.html

Portanto, faço aqui um apelo para darmos as mãos. Também peço que ninguém silencie diante do assédio, da agressão e da discriminação. É preciso saber que “você não está sozinha” e a denúncia é sua maior defesa.

Eu sou metalúrgica, sou filha de metalúrgicos e conheço a vida dura da mulher trabalhadora. Como Secretária Municipal de Políticas para Mulheres em Osasco, sei que a maior vítima das injustiças sociais é a mulher.

Concluímos dia 31 o chamado Março Mulher, um mês todo de atividades voltadas à valorização feminina. Um espaço importante de fala e para dar visibilidade à pauta de gênero. A conscientização avança. Mas é preciso que ela se efetive, principalmente no mercado de trabalho e na política.

Clique aqui e leia mais artigos.

Conteúdo Relacionado

Precisamos de um reforma tributária progressiva para reduzir desigualdades – Adilson Araújo

O Brasil é um dos países mais desiguais do mundo, fenômeno que está na raiz da violência que perturba e apavora nosso povo. No Relatório...

Trabalhadores marcharão à Brasília por democracia e justiça – Ismael Cesar

Deliberado no Congresso Nacional da Central Única dos Trabalhadores, ocorrido em outubro de 2023, a Marcha da Classe Trabalhadora à Brasília, está marcada para...

A importância e os desafios das frentes parlamentares – Antônio Augusto de Queiroz

As frentes parlamentares e bancadas informais desempenham papel relevante no cenário político, representando forma interessante de articulação, representação e influência para interesses diversos. Compostas...

Fiscalização da Previdência brasileira garante proteção – Wanderson Ferreira

A Previdência Social parte do princípio de que todos os trabalhadores precisam estar seguros em caso de perda de a capacidade de trabalhar, o...

Decisão lamentável – João Guilherme

Recentemente o juiz Eduardo Pires, da 30ª Vara do Trabalho de São Paulo, decidiu que o trabalhador não sindicalizado não tem direito aos benefícios...