23.9 C
São Paulo
domingo, 14/07/2024

Bancários querem aumento real de 5%

Data:

Compartilhe:

Avança a campanha salarial do ramo financeiro ligado à Contraf-CUT. Um ponto alto foi a 26ª Conferência Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro, encerrada domingo (9) com a minuta da pauta e também encaminhamentos de mobilização.

A Conferência, que reuniu, em SP, 632 delegados de todo o País, foi precedida de várias ações nas bases, entre as quais consulta nacional, com 47 mil participações. Os bancários indicaram os itens centrais da pauta, como aumento salarial real, melhoria na PLR, enfrentamento de problemas de saúde (inclusive mental) e ainda questões de representação dos trabalhadores.

Segundo adianta à Agência Sindical Juvandia Moreira, presidente da Contraf, a pauta de reivindicações será protocolada na Fenaban dia 18, após conclusão de assembleias até esta quinta (13). A data-base é 1º de agosto. A campanha abrange 450 mil trabalhadores.

PAUTA

Principais eixos aprovados: Aumento salarial – inflação mais 5%. Aumento na PLR. Ampliação de direitos. Fim do assédio e da pressão adoecedora na cobrança de metas. Representação de todos os trabalhadores do Ramo Financeiro. Defesa do emprego ante impactos tecnológicos. Mais sindicalização.

Afora itens marcadamente bancários, a categoria aprovou a luta pela redução da taxa de juros, “pra induzir o crescimento econômico, gerando emprego e renda”, afirma Juvandia. Outra meta é fortalecer o debate sobre a importância das eleições 2024 para a classe trabalhadora, “na defesa dos direitos e da Democracia, bem como eleger candidatos compromissados com esta pauta.”

“Os debates na Conferência sintetizaram as propostas desde nossas bases via Consulta Nacional e conferências regionais, realizadas em todo o País. Eles se somam às resoluções de congressos e encontros específicos por banco”, explica a dirigente.

Campanha – “Faremos uma campanha que dialoga com a categoria e nos leve, mais uma vez, a manter os direitos da Convenção Coletiva, a novas conquistas, ao aumento real, além de avanços nas pautas da sociedade, como redução da desigualdade social e econômica”, afirma Juvandia.

SP – Maior do País, o Sindicato dos Bancários de SP, Osasco e Região é presidido por Neiva Ribeiro, que coordena o Comando Nacional dos Bancários. Ela diz: “O futuro que queremos faremos juntos e agora. Futuro com emprego decente, justa remuneração, condições de trabalho, jornada de quatro dias, saúde mental preservada, sistema financeiro regulado e redução das taxas de juros para estímulo do desenvolvimento nacional e não a serviço da especulação financeira”.

Juvandia Moreira lembra que a especulação beneficia 1% dos brasileiros. Ela informa que vários bancos digitais, como o Nubank, não reconhecem a categoria bancária.

MAIS – Acesse o site da Contraf, dos Sindicatos da categoria e também da CUT.

Conteúdo Relacionado

Consultor vê País normalizado e Lula mais forte

O ambiente nacional está mais calmo. A economia vai bem. As relações entre Executivo e Legislativo avançaram. E as condições para o diálogo e...

Sindicato e UGT apoiam luta nos EUA

O Sindicato dos Comerciários de São Paulo (filiado à UGT) foi representado pela diretora Maria das Graças da Silva Reis nos atos da Campanha...

Futebol Metalúrgico faz final domingo

Termina dia 14, domingo, o 27º Campeonato de Futebol dos Metalúrgicos de Guarulhos e Região (Grande SP). Competição já teve 57 partidas, com 195...

Foi forte o Dia da Luta Operária

Teve grande participação sindical e popular a edição 2024 do Dia da Luta Operária, em 9 de julho. Mesmo com frio intenso e chuva,...

Mercado é 0,5% da população, diz economista

Nas últimas semanas, a palavra mercado foi uma das mais utilizadas na mídia, principalmente pelos comentaristas de economia.O viés ideológico dessa cobertura empodera o...