18.9 C
São Paulo
sexta-feira, 24/05/2024

Classe operária em defesa da democracia – Eusébio Pinto Neto

Data:

Compartilhe:

Chegará o dia em que todos viverão de forma livre, respeitando a vida e a democracia. Um ano após a tentativa de golpe contra os Poderes da República, o povo brasileiro precisa se manifestar nas ruas para que o dia 8 de janeiro de 2023 seja lembrado como a data em que a democracia venceu o autoritarismo da extrema direita. A invasão das sedes dos três Poderes não foi um fato isolado. Não foi uma manifestação pacífica de cidadãos, sem liderança e sem armas. O golpe foi meticulosamente elaborado pelo ex-presidente, inelegível, Jair Bolsonaro e seus seguidores acéfalos.

A ofensiva contra a democracia teve início antes das eleições presidenciais, quando grupos do submundo das redes sociais questionaram a legitimidade das urnas eletrônicas.

O discurso de ódio em doses diárias alimentou o instinto primitivo de inocentes úteis, fanáticos e extremistas da direita que acamparam em frente aos quartéis e pediram a “intervenção federal”. A tentativa de golpe exigiu planejamento, coordenação e financiamento, por isso os mandantes precisam ser punidos.

Graças à rápida reação do governo Lula e ao alinhamento dos três poderes, o Estado Democrático de Direito não sofreu abalos. As políticas públicas, implementas no primeiro ano do governo Lula, também contribuíram para o fortalecimento da democracia. Mas não podemos subestimar o momento de polarização que o Brasil vive. É preciso ter o máximo de atenção. A extrema direita continua vociferando ódio contra tudo e contra todos.

Precisamos rever as estruturas sociais para construir uma sociedade mais justa e igualitária. A construção de uma agenda democrática precisa da participação de todos, especialmente da classe trabalhadora. Em um país sem uma democracia e sem instituições fortes, os trabalhadores são os mais prejudicados porque deixam de ter força para reivindicar os seus direitos. Os trabalhadores são responsáveis pela produção de riquezas nacionais, portanto, devem tomar as decisões sobre os rumos do país.

Democracia se constrói com o povo nas ruas, defendendo os seus direitos e vigilância permanente. Hoje é o dia de celebrar a democracia. Em todo o país, os trabalhadores e os movimentos sindical e social realizarão atos pela Democracia Inabalada. O ato convocado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em Brasília, reunirá ministros do governo, ministros do Supremo Tribunal Federal, governadores, parlamentares e outras autoridades. No Rio de Janeiro, trabalhadores e representantes de movimentos sociais se concentrarão a partir das 17 horas, na Cinelândia.

Para consolidar a democracia, precisamos nos unir para proteger a nação e os grupos mais vulneráveis dos ataques insanos dos que querem impor o autoritarismo para manter o sistema de exploração.

Eusébio Pinto Neto, Presidente do SINPOSPETRO-RJ e da Federação Nacional dos Frentistas

Conteúdo Relacionado

Uma nova Jornada – Edson Carvalho

Em nome de toda a diretoria, agradecemos aos comerciários de Guarulhos e Região pelo voto de confiança nas eleições dos dias 09 e 10...

Tragédia no Rio Grande do Sul: é preciso apontar as causas e responsáveis – Igor Felippe Santos

A tragédia no Rio Grande do Sul com as enchentes e alagamentos atingiu 2,3 milhões de pessoas. A cada 10 gaúchos, dois sofrem com...

Submissos a Tarcísio, deputados aprovam escolas cívico-militares em São Paulo – Professora Francisca

O dia 21 de maio de 2024 entrará para a história da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp) como mais um dia...

Duas greves – João Guilherme Vargas Netto

Em julho de 2020, em plena pandemia, os metalúrgicos da montadora Renault, no Paraná, cruzaram os braços. Durante os 21 dias de greve e...

Sindicalismo não recua! – Josinaldo José de Barros (Cabeça)

Nesta quarta, 22, as Centrais Sindicais realizam plenária unitária em Brasília. Além do ato sindical, as entidades têm uma agenda repleta com lideranças políticas...