19.4 C
São Paulo
domingo, 14/07/2024

Falta de equipamentos de proteção condena servidores da saúde e população

Data:

Compartilhe:

Em tempos de coronavírus, trabalhadores da saúde enfrentam dura batalha no cotidiano. Na linha de frente em plena pandemia, eles convivem com a falta de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) e de testes para saber se contraíram a Covid-19.

Quem denuncia a situação é o Sindicato dos Trabalhadores Públicos da Saúde no Estado de São Paulo (SindSaúde-SP). Maria Aparecida de Deus, presidente do Dieese e diretora do Sindicato, informa que muitos profissionais foram afastados por suspeita da doença. Ela diz: “A situação é grave. Porque não temos como mensurar a quantidade e nem quem está realmente contaminado. Não temos testes e os que fizemos, estão com os resultados atrasados”.

Para Maria Aparecida, a situação coloca em risco os profissionais e a população. “Se não tivermos segurança para trabalhar, como fica?”.

Afastamento – Outra reivindicação do SindSaúde-SP é o afastamento dos trabalhadores que fazem parte do grupo de riscos, como funcionários acima de 60 anos, gestantes, portadores de doenças crônicas, cardiopatias, diabetes e profissionais que estejam em tratamento médico que deprimam o sistema imunológico.

Presidente do Sindicato, Cleonice Ribeiro explica que a entidade entrou com ação para exigir uma solução para esses servidores. “A Justiça deu 48 horas para a Secretaria de Estado da Saúde (SES) dialogar conosco a fim de resolver a situação”, ela informa.

Segundo Cleonice, a entidade tem negociado com os gestores. “Ontem, participamos de mais uma reunião na Secretaria. Aguardamos agora o parecer”, conta a presidente do SindSaúde.

Defasagem – Sobre a falta de funcionários, a dirigente explica que há tempos o quadro na saúde pública está defasado, pois não são realizados concursos para contratação de pessoal. “A situação tem se agravado com a pandemia. E a grande maioria dos servidores tem entre 50 e 60 anos. Como exigir que eles fiquem na linha de frente? Nossa proposta é remanejar e contratar em caráter de emergência. Se o governo estimula a contratação no setor privado, porque não faz isso na saúde pública?”, questiona Cleonice.

Fortalecimento – A sindicalista alerta que a situação é reflexo da falta de investimentos no Sistema Único de Saúde (SUS). “Há anos exigimos mais investimentos e o fortalecimento do Sistema Público de Saúde. A situação que já era ruim, agora com o coronavírus, é desesperadora. E é resultado da política de governo”.

Mais – Acesse o site do Sinsaúde-SP

Conteúdo Relacionado

Consultor vê País normalizado e Lula mais forte

O ambiente nacional está mais calmo. A economia vai bem. As relações entre Executivo e Legislativo avançaram. E as condições para o diálogo e...

Sindicato e UGT apoiam luta nos EUA

O Sindicato dos Comerciários de São Paulo (filiado à UGT) foi representado pela diretora Maria das Graças da Silva Reis nos atos da Campanha...

Futebol Metalúrgico faz final domingo

Termina dia 14, domingo, o 27º Campeonato de Futebol dos Metalúrgicos de Guarulhos e Região (Grande SP). Competição já teve 57 partidas, com 195...

Foi forte o Dia da Luta Operária

Teve grande participação sindical e popular a edição 2024 do Dia da Luta Operária, em 9 de julho. Mesmo com frio intenso e chuva,...

Mercado é 0,5% da população, diz economista

Nas últimas semanas, a palavra mercado foi uma das mais utilizadas na mídia, principalmente pelos comentaristas de economia.O viés ideológico dessa cobertura empodera o...