Metalúrgicos fazem atos em frente a concessionárias da Renault

0
407
Trabalhadores lutam contra mais de 700 demissões na fábrica da Renault de Curitiba

Metalúrgicos de todo o País promovem nesta quinta (30), a partir das 8 horas, manifestações em frentes a concessionárias da Renault. O movimento é um protesto contra 747 demissões promovidas pela montadora na fábrica de Curitiba, que deflagrou a greve da categoria, quarta (22). 

Estão confirmados atos em Curitiba, São Paulo e nas cidades de Guarulhos e Osasco (SP). Em São Paulo, os protestos acontecem nas concessionárias dos bairros da Vila Guilherme, Zona Norte, e do Ipiranga, na Zona Sul. Em Guarulhos, o protesto está marcado pras 11 horas, em frente à concessionária da Vila das Palmeiras. Comerciários também participam.

José Pereira dos Santos, presidente do Sindicato de Guarulhos, gravou um vídeo de apoio à paralisação dos companheiros do Paraná. “Essa postura, reflete o desgoverno que vivemos nesse País, com um presidente que detesta trabalhadores. Não vamos aceitar que a Renault entre nesse jogo”, afirma Pereira.

Além de aprovar o protesto na quinta (30), assembleia realizada terça, 28, na entrada da montadora, definiu um calendário de ações. 

Luto – Entre elas, a participação no Dia Nacional de Luto e Luta, convocado pelas Centrais Sindicais. O movimento vai lembrar as mortes provocadas pela Covid-19 no Brasil, que já deverão ter chegado à marca das 100 mil na data, em memória às vítimas e solidariedade às famílias.

Plenária – Também ficou definida convocação de Plenária Virtual Nacional dos Metalúrgicos, dia 10 de agosto. Na pauta as campanhas salariais do segundo semestre, a luta em defesa do emprego e a unificação dos esforços de todos os sindicatos.  

NegociaçãoSérgio Butka, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba (SMC), afirma que os trabalhadores estão abertos à negociação, mas não vão recuar.  “Enquanto a empresa não rever as 747 demissões não teremos condições de avançar na pauta proposta pela empresa para competitividade da planta”, afirmou.

Mais – Acesse o site do Simec.

Leia também:
Cresce apoio à paralisação dos metalúrgicos de Curitiba
Renault demite masi de 700 e metalúrgicos respondem com greve

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui