18.3 C
São Paulo
sábado, 22/06/2024

Não toquem no nosso FGTS

Data:

Compartilhe:

Segundo o jornal Folha de S. Paulo, o governo preparou minutas de Medidas Provisórias (MPs) para reduzir a alíquota de contribuição do FGTS que as empresas recolhem sobre o salário dos trabalhadores, de 8% para 2%, e reduzir a multa paga em caso de demissão sem justa causa, de 40% para 20%.

Se forem para frente, essas medidas deixarão os trabalhadores com valores bem mais baixos do que os atualmente recebidos em caso de demissão. Também segundo o jornal, o governo estuda cortar as alíquotas de contribuições para o Sistema S, mais um golpe nos trabalhadores, que têm nessas entidades, como o Sesc e Senac, por exemplo, locais onde podem se qualificar e ter lazer de qualidade a preços razoáveis.

online pharmacy buy antabuse no prescription pharmacy

Em entrevista, Paulo Guedes negou a possibilidade neste momento, mas disse que essas mudanças chegaram a ser cogitadas juntamente com a “carteira verde amarela” – a Medida Provisória n° 905/2019 que perdeu validade em abril de 2020 e reduzia a alíquota do FGTS, permitia trabalho aos domingos como se fosse dia normal, entre outras maldades.

Entretanto, conforme o site Poder 360, as medidas reveladas pela Folha são estudadas para um possível segundo mandato de Bolsonaro.

Lembramos que o FGTS foi criado em 1966 com o objetivo de proteger o trabalhador demitido sem justa causa e surgiu como uma alternativa para a estabilidade decenal extinta em 1988.

online pharmacy buy ventolin no prescription pharmacy

No início de cada mês, as empresas depositam em contas abertas na Caixa Econômica Federal, em nome dos trabalhadores, 8% do salário de cada funcionário. O FGTS é constituído pelo total desses depósitos mensais e os valores pertencem aos empregados. Em caso de demissão ou de algumas exceções previstas em lei, os trabalhadores dispõem dos valores do Fundo e de uma multa que deve ser paga pela empresa e que representa 40% do valor depositado ao longo do tempo no FGTS.

Eventual redução do FGTS não criará mais empregos, vai tirar mais dinheiro do bolso dos trabalhadores e, portanto, da circulação na economia, e vai parar na conta dos empregadores, ou seja, mais um ataque contra a população.

online pharmacy buy temovate no prescription pharmacy

Não admitimos que qualquer governo, este ou o que vier depois, mexam com o nosso FGTS. Ele é uma conquista dos trabalhadores.

Basta de retiradas de direitos disfarçadas de reformas. Isso nada tem de moderno, mas de exploração do povo e de transferência de renda para os mais ricos.

Os Sindicatos, que também têm sido constantemente atacados, são a muralha de defesa dos empregados. Lembramos que direitos que hoje passam despercebidos são fruto do trabalho de décadas dos Sindicatos, como participação nos lucros e resultados, reajuste anual de salários, descanso semanal remunerado, décimo terceiro salário, férias remuneradas e o próprio FGTS.

Clique aqui e leia mais artigos de Walter dos Santos.

Conteúdo Relacionado

Parabéns, metalúrgicos (as) e bancárias (os) – João Guilherme Vargas Netto 

Parabéns, metalúrgicos (as) e bancárias (os)Quero fazer meus os termos da indiscrição de Rubens Ricupero, trinta anos atrás e falar de coisas boas sem...

Os interesses por trás do debate sobre contas públicas e Previdência – Adilson Araújo

Está em curso no país uma ruidosa campanha unificada da direita e extrema direita alardeando a necessidade de um ajuste fiscal fundado numa nova...

Um legítimo filho da periferia – Rodrigo de Morais

Tenho muito orgulho de ter nascido e até hoje viver na periferia, lado a lado com o nosso povo, honesto e trabalhador, sempre de...

O Sindicato e a Organização Internacional do Trabalho – OIT – Milton de Araújo

a semana de 10 a 14 de junho, estive no evento da Organização Internacional do Trabalho – OIT, onde tive a oportunidade de me...

Dilemas da aposentadoria – Eduardo Annunciato Chicão

Na atualidade: Entrada na melhor idade ou pena de morte?A tão sonhada aposentadoria transformou-se num verdadeiro tormento para a maioria dos trabalhadores. Não deveria,...