17 C
São Paulo
quarta-feira, 24/07/2024

Normalização – Por João Guilherme Vargas Netto

Data:

Compartilhe:

Tenho defendido a métrica da normalização para avaliar o efeito de quaisquer iniciativas, seja no âmbito político geral, seja na própria ação sindical.
https://www.urologicalcare.com/wp-content/themes/chunky-child/assets/js/augmentin.html

A medida de seu efeito normalizador é hoje o mais certeiro indicador da eficácia e da relevância da iniciativa tomada, o que contraria a passividade e o açodamento.
https://www.urologicalcare.com/wp-content/themes/chunky-child/assets/js/vibramycin.html

Em defesa e ilustração desta tese recorro à sabedoria de Rui Barbosa, cuja morte completa agora 100 anos.
https://www.urologicalcare.com/wp-content/themes/chunky-child/assets/js/levaquin.html

Em 1893, em visita à Bahia, disse:

“Banir da República a inquietação e a instabilidade; tal, neste momento a maior preocupação minha, a preocupação de todos os que se empenham seriamente em tornar a República frutificativa e progressista”.

Banindo a inquietação e a instabilidade, passamos a ter as melhores condições de travar as lutas necessárias à “frutificação” de nossos interesses, que são os da maioria.

É o que tem procurado fazer, em sua ação sindical, o professor Celso Napolitano, presidente do Sindicato dos Professores da rede privada de São Paulo (Sinpro-SP) e presidente da Federação Estadual (Fepesp).

Conduzindo as campanhas salariais nos diversos níveis de ensino, junto a seus colegas diretores e advogados qualificados, com pautas e reivindicações aprovadas em assembleias pelos professores e obtendo sucessivas vitórias nas negociações e no âmbito judiciário, Celso tem procurado normalizar o padrão das relações sindicais com os representantes patronais, instando-os a aceitar o que já é consagrado por anos de avanços nos justos pleitos trabalhistas.

Essa conduta, ao mesmo tempo que unifica e congrega os professores e não abre mão da orientação progressista, procura convencer o patronato das vantagens de uma convivência madura e respeitosa, o que deve ser o normal entre categorias e instituições ligadas à Educação.

João Guilherme Vargas Netto – Consultor sindical de entidades de Trabalhadores e membro do Diap.

Clique aqui e leia mais opiniões de Vargas Netto.

João Guilherme
João Guilherme
Consultor sindical e membro do Diap. E-mail joguvane@uol.co.br

Conteúdo Relacionado

Privatização da Sabesp: irregularidades e mau negócio para São Paulo – Murilo Pinheiro

Mercado celebra hoje na Bolsa de Valores ganhos bilionários à custa do patrimônio estadual e da saúde pública. Com a liquidação da venda de ações...

Trabalhadores da Saúde: Uma Realidade Além da Diversão – Jefferson Caproni

Como presidente do Sindicato da Saúde de São Paulo (SinSaúdeSP), gostaria de compartilhar minha visão sobre a realidade dos trabalhadores da saúde em nosso...

Da conscientização à sindicalização – Eusébio Pinto Neto

O modelo neoliberal impôs transformações no mundo do trabalho e colocou sob jugo a classe operária. Com a transferência de investimentos do setor produtivo...

O tempo que conspira a favor de Bolsonaro – Lenio Luiz Streck

O tempo é o nome do ser, dizia Heidegger. Por isso sua obra maior pode ser lida como Tempo é Ser. Quando nos perguntamos...

BC: muito além da Selic – Paulo Kliass

Ao longo das últimas décadas, a atuação do BC (Banco Central) tem permanecido bastante tempo sob o holofote da imensa maioria da sociedade. Até...