19.1 C
São Paulo
segunda-feira, 24/06/2024

Venceu a democracia: resgate e justiça social

Data:

Compartilhe:

Desde a reforma trabalhista, comparamos a crise que enfrentamos à situação de sobreviventes de um avião jumbo que cai na selva. Foram anos de tentativas frustradas de salvamento. As medidas contra a classe trabalhadora e o movimento sindical aplicadas nos governos de Michel Temer e potencializadas no governo atual debilitaram as relações de trabalho, desmantelaram o movimento sindical e tentaram desarticular a luta da classe trabalhadora. Alguns grupos não se salvaram e outros estão ainda desidratados. Na ocasião, indicamos que o resgate poderia vir em 2022.

Chegamos então ao final de um processo eleitoral acirrado.

Tendo em vista que as eleições em todo Brasil foram legítimas e democráticas, em 1º de janeiro de 2023 teremos a vontade da maioria: Lula presidente do Brasil e Geraldo Alckmin ocupando a vice-presidência da República. O povo brasileiro escolheu o caminho da democracia, da paz e da união.

Sempre tivemos uma relação amistosa e produtiva com Lula e Alckmin. Acreditamos que a aliança fortalece a democracia e a soberania nacional, ampliando o diálogo e consolidando os esforços em relação aos problemas sociais do Brasil. Dessa forma, os grupos que sobreviveram na floresta, mas não encontraram apoio nem trilhas seguras para a liberdade e uma vida digna nos últimos anos, terão agora a chance de recuperar o fôlego.

A sobrevivência na selva não tem sido fácil.

A implementação da reforma trabalhista aumentou a informalidade e a precarização no mercado de trabalho, além de tentar colocar a prova a luta do movimento sindical. Os altos índices de desemprego e todo o retrocesso social colocou o Brasil de volta ao mapa da fome e da miséria. Durante a pandemia, o desprezo e o negacionismo do atual governo pela ciência ceifaram milhares de vidas e ainda aprofundaram o abismo da desigualdade social e da pobreza no Brasil, especialmente em relação à população negra, às mulheres e à juventude.

Finalmente vislumbramos uma oportunidade de mudança dos rumos políticos e econômicos do Brasil. Avistamos também a possibilidade de regulamentar uma adequada estrutura de custeio sindical, oriunda de negociação coletiva, e que fortaleça a efetiva representação das mais diversas categorias profissionais.

A eleição do presidente Lula representa a esperança de um país melhor e mais justo, que valoriza o diálogo e a democracia. A partir de agora, precisamos reorganizar nossas tarefas, porque temos um enorme desafio pela frente. Entendemos que as prioridades urgentes sejam combater a fome e a insegurança alimentar, gerar emprego, renda, recuperar direitos trabalhistas, bem como resgatar o respeito e o fortalecimento da democracia e suas instituições.

Sergio Luiz Leite, Serginho,
presidente da FEQUIMFAR (Federação dos Trabalhadores nas Indústrias Químicas e Farmacêuticas no Estado de São Paulo) e vice-presidente da Força Sindical

Conteúdo Relacionado

Parabéns, metalúrgicos (as) e bancárias (os) – João Guilherme Vargas Netto 

Parabéns, metalúrgicos (as) e bancárias (os)Quero fazer meus os termos da indiscrição de Rubens Ricupero, trinta anos atrás e falar de coisas boas sem...

Os interesses por trás do debate sobre contas públicas e Previdência – Adilson Araújo

Está em curso no país uma ruidosa campanha unificada da direita e extrema direita alardeando a necessidade de um ajuste fiscal fundado numa nova...

Um legítimo filho da periferia – Rodrigo de Morais

Tenho muito orgulho de ter nascido e até hoje viver na periferia, lado a lado com o nosso povo, honesto e trabalhador, sempre de...

O Sindicato e a Organização Internacional do Trabalho – OIT – Milton de Araújo

a semana de 10 a 14 de junho, estive no evento da Organização Internacional do Trabalho – OIT, onde tive a oportunidade de me...

Dilemas da aposentadoria – Eduardo Annunciato Chicão

Na atualidade: Entrada na melhor idade ou pena de morte?A tão sonhada aposentadoria transformou-se num verdadeiro tormento para a maioria dos trabalhadores. Não deveria,...