17.2 C
São Paulo
domingo, 21/04/2024

58 anos Metalúrgicos – Por José Pereira dos Santos

Data:

Compartilhe:

Dia 30 de abril, o Sindicato dos Metalúrgicos de Guarulhos e Região completou 58 anos. Eu entrei pra categoria metalúrgica em 1984, quando o regime ainda era ditadura. Três anos depois, em 1987, passei a integrar a direção da entidade.

Este ano, devido à pandemia, não houve cerimônia presencial. Porém, os associados metalúrgicos mais antigos não foram esquecidos. Segunda, dia 3, a diretoria começou a entregar medalhas e camisetas a esses sócios, nas fábricas ou em suas residências.

A novidade é a homenagem aos trabalhadores na saúde. Seis profissionais receberão medalha especialmente confeccionada. Dessa forma, externamos gratidão a esses homens e mulheres que colocam em risco suas vidas pra salvar as nossas.

O Sindicato dos Metalúrgicos de Guarulhos e Região recebeu Carta do presidente Jango em 30 de abril de 1963. Um ano depois, veio o golpe de Estado. A entidade sofreu intervenção e a diretoria foi cassada. Anos depois, conseguimos restabelecer a autonomia e tocar a vida adiante.

A ditadura acabou em 1985. Mas ela não trouxe só repressão. O regime adotou o arrocho salarial como política de Estado, por meio dos decretos-leis. Ao final daquele regime, a inflação corroía duramente a renda assalariada e o salário mínimo estava sem poder de compra.

Mas aquela fase terrível foi vencida e novos desafios surgiram. Um dos progressos em nossa base (cerca de 41 mil metalúrgicos em Guarulhos, Arujá, Mairiporã e Santa Isabel) é a conquista de PLR. Somos um dos Sindicatos com mais acordos de Participação nos Lucros e/ou Resultados. A meta é conseguir pagamento de PLR pra 100% da categoria.

A vida sindical não para. Sexta, fazíamos aniversário. Sábado, participávamos do 1º de Maio Unitário das Centrais, com o lema Vacina pra todos; Emergencial de R$ 600,00; e Democracia. Levamos faixas aos principais viadutos na Dutra e Hélio Smith. Uma delas era bilíngue e dizia: “Bolsonaro, do as JOE BIDEN: vaccinate the people”. Ou seja: “Bolsonaro, faça como Joe Biden: vacine o povo”. O governo dos EUA, em 58 dias, vacinou 100 milhões de pessoas.

Unidade – Manter ativo um Sindicato em quase seis décadas não é fácil. Um dos segredos é a unidade da diretoria. Outro, o respeito à pluralidade de ideias. Mas só chegamos até aqui porque tivemos apoio da base. Quero também, por justiça, agradecer a imprensa, que ao longo desse período divulga as lutas e as conquistas metalúrgicas.

Vamos em frente, respeitando as gerações passadas e abrindo caminho às futuras. Os metalúrgicos são fortes. O Brasil vencerá!

Clique aqui e leia mais opiniões de José Pereira dos Santos

Conteúdo Relacionado

Trabalhadores marcharão à Brasília por democracia e justiça – Ismael Cesar

Deliberado no Congresso Nacional da Central Única dos Trabalhadores, ocorrido em outubro de 2023, a Marcha da Classe Trabalhadora à Brasília, está marcada para...

A importância e os desafios das frentes parlamentares – Antônio Augusto de Queiroz

As frentes parlamentares e bancadas informais desempenham papel relevante no cenário político, representando forma interessante de articulação, representação e influência para interesses diversos. Compostas...

Fiscalização da Previdência brasileira garante proteção – Wanderson Ferreira

A Previdência Social parte do princípio de que todos os trabalhadores precisam estar seguros em caso de perda de a capacidade de trabalhar, o...

Decisão lamentável – João Guilherme

Recentemente o juiz Eduardo Pires, da 30ª Vara do Trabalho de São Paulo, decidiu que o trabalhador não sindicalizado não tem direito aos benefícios...

Privatizar a educação pública beneficia apenas os tubarões da educação – Francisca Rocha

Desde que assumiu o governo de São Paulo, Tarcísio de Freitas trabalha diariamente com a tese de destruição do Estado e privatização de todo...