18.7 C
São Paulo
sexta-feira, 24/05/2024

Agosto tem nova queda da cesta básica, diz pesquisa do Dieese

Data:

Compartilhe:

Em agosto, pesquisa do Dieese voltou a mostrar queda nos alimentos da cesta básica nas principais capitais do País. O valor caiu em 16 das 17 cidades incluídas na sondagem.

O resultado é ainda melhor do que o de julho, quando o levantamento apontava queda em 13 dos 17 locais avaliados.

No balanço de agosto, as quedas mais importantes na cesta ocorreram em Natal (-5,29%), Salvador (-3,39%), Fortaleza (-2,85%), João Pessoa (-2,79%) e São Paulo (-2,79%). Os preços só subiram, segundo o Dieese, em Brasília (0,35%).

Porto Alegre foi a capital onde o conjunto dos alimentos básicos apresentou o maior custo (R$ 760,59), seguida de São Paulo (R$ 748,47), Florianópolis (R$ 743,94) e Rio de Janeiro (R$ 722,78).

Nas cidades do Norte e do Nordeste, onde a composição da cesta é diferente, os menores valores médios foram registrados em Aracaju (R$ 542,67), João Pessoa (R$ 565,07), Salvador (R$ 575,81) e Recife (R$ 580,72).

No ano – Nos oito meses de 2023, o custo da cesta básica diminuiu em 12 cidades, com taxas mais expressivas em Vitória (-9,32%), Goiânia (-8,96%), Belo Horizonte (-7,22%) e Campo Grande (-7,06%). Os maiores percentuais foram registrados em Aracaju (4,15%) e Recife (2,77%).

Comparação – A comparação da cesta de agosto de 2023, com agosto do ano passado, mostrou que nove capitais tiveram redução do preço médio, com variações que oscilaram entre -5,24%, em Vitória, e -0,08%, em Curitiba. Outras oito cidades apresentaram elevação, com destaque para os percentuais de Fortaleza (2,50%), Porto Alegre (1,67%) e Belo Horizonte (1,23%).

Salário – Com base na cesta mais cara, em agosto (Porto Alegre), neste mês o salário mínimo necessário para a manutenção de uma família de quatro pessoas deveria ter sido de R$ 6.389,72 ou 4,84 vezes o mínimo em vigor, de R$ 1.320,00.

Para estimar esse valor, o Dieese considera a determinação constitucional que estabelece que o salário mínimo deve suprir despesas de um trabalhador e sua família com alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e previdência.

Ainda sobre o salário mínimo, em julho, o valor necessário seria de R$ 6.528,93.

MAIS – Acesse a Pesquisa do Dieese.

Conteúdo Relacionado

Diap divulga prioridades para 2024

O Diap (Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar) divulgou na quarta, 22, estudo que aponta as principais prioridades da classe trabalhadora brasileira para 2024.Intitulado "Pauta...

Abril tem ganho real em 77% das negociações

Os reajustes salariais em abril tiveram ganho real em 77% dos casos, segundo dados do boletim do Dieese que avalia as negociações coletivas no...

Engenharia pode ajudar Sul a se reerguer

Há vários anos, o Sindicato dos Engenheiros no Estado de São Paulo (Seesp) e a Federação Nacional da categoria defendem que Prefeituras e governos...

Caem os aumentos reais

Caiu em relação aos meses anteriores o índice de aumentos reais nas negociações coletivas. Os dados constam do mais recente boletim do Dieese -“De...

Plenária une ação de massa e diálogo político

Um sindicalista metalúrgico presente à Plenária Unitária das Centrais nesta quarta (22), em Brasília, avaliou como “muito positivas as ações de massa e também...