23.4 C
São Paulo
sábado, 15/06/2024

Cenário no RS é de guerra, diz sindicalista

Data:

Compartilhe:

Josimar Luiz Cecchin preside o Sindicato da Alimentação de Tapejara e região, no Rio Grande do Sul. Ele também preside a Confederação Contac/CUT. Trabalha no Laticínio Italac, onde é eletromecânico.

Na segunda (6), ele falou à Agência Sindical. Principais trechos:

Guerra – “Cenário em muitos locais é igual ao de uma guerra. Teve cidades inteiras que foram destruídas. Várias sedes de Sindicatos foram varridas pela enchente”, diz o dirigente. Itapejara não foi afetada.

Empregos – “Fábricas inteiras foram atingidas, com destruição de prédios e perda de equipamentos. Ou seja, ainda que a água baixe de vez, o trabalhador não terá mais pra onde voltar e retomar suas tarefas”.

Empresas – “A sorte é que muitas empresas de abate e outras ficam fora das cidades e não foram tão atingidas como os centros urbanos ou as várzeas. A gente espera que a produção não demore a ser retomada”.

Vítimas – “As principais são pessoas e famílias, que perderam tudo – móveis, casas, comércios. Fábricas perto de cidades, como a JBS em Rocca Salles, foram muito afetadas. Aqui temos fábricas grandes, exportadoras. Uma delas com 1,6 mil empregados, precisará ser  reconstruída”.

Governos – “Não houve inação. O próprio presidente Lula visitou o Estado duas vezes e montou três postos de operação do governo federal em – em Porto Alegre, Canoas e Santa Maria. Mas tem fakenews dizendo que o governo gastou no show da Madonna”.

Gêneros – “Estamos precisando de água, em primeiro lugar. Bolachas e outros tipos de comida. Roupa, sabonete, fraldas, vassoura, rodo, escova e pasta dental também”.

Apoios – “O sindicalismo tem apoiado. A CUT montou uma rede de apoio e o MST acelerou as cozinhas solidárias. As entidades do setor da Alimentação, que não foram atingidas, estão todas engajadas”.

Reconstrução – “É o terceiro ano de devastação no Vale do Taquari. A reconstrução – se houver muito dinheiro, recursos e a soma de vontades – levará de um ano pra mais. Caso contrário, a tragédia vai perdurar muito tempo”.

MAIS – Instagram Facebook do STIA. Ligue no Sindicato (54) 3344.2422; na CUT-RS (51) 3084-6887 ou fale com Josimar  (54)999116473.

Para doar através da Campanha da CUT-RS – Banco Nº 133 – CRESOL 02; CNPJ 60.563.731/0014-91; Agência 5607; Conta corrente 18.735-6;  PIX 51996410961.

Conteúdo Relacionado

Cesta básica sobe, mostra o Dieese

Pesquisa mensal do Dieese apura que em maio o valor do conjunto de alimentos básicos aumentou em 11 das 17 Capitais. A Pesquisa Nacional...

Sindicato de Niterói firma aditivo com avanços

Mais uma vitória para uma grande parcela de frentistas no Estado do Rio de Janeiro. Desta vez, de Araruama, Cachoeira de Macacu, Guapimirim, Iguaba...

Miguel da Força defende democracia e inclusão

Na quarta (12), Miguel Torres falou em nome do sindicalismo nacional e da classe trabalhadora na Conferência da Organização Internacional do Trabalho, em Genebra,...

CUT debate os impactos dos parques eólicos para a classe trabalhadora

A CUT debateu nesta terça-feira (11) e quarta-feira (12) em Natal, no Rio Grande do Norte, os impactos dos parques eólicos nas comunidades locais,...

Químicos de Rio Claro fazem Curso de Fortalecimento da CIPA

O Sindicato dos Químicos de Rio Claro e Região, em parceria com o DIESAT e com o apoio da FEQUIMFAR, realiza entre os dias 10...