23.4 C
São Paulo
sábado, 15/06/2024

Conae aprova teses e avanços para a Educação

Data:

Compartilhe:

Após deliberações firmadas nas conferências realizadas nos municípios, Estados e Distrito Federal, a Conae – Conferência Nacional de Educação, ocorrida entre 28 e 30 de janeiro, em Brasília, definiu metas e propostas que vão orientar a Educação brasileira na próxima década.

Pamela Marmentini Corrêa, do Sinpro RS, e Luana Letícia Reffiel Menta.

Retomada – Para Pâmela Marmentini Corrêa, do Sinpro RS, delegada eleita como professora da rede privada e mestranda em Educação pela Universidade Federal da Fronteira Sul, a Conferência foi “a retomada do debate em torno da Educação de modo amplo e participativo, conseguimos reunir entidades, docentes, sociedade em geral e vários segmentos para concretizar isso, depois do ataque dos governos anteriores”.

Inclusão – Segundo a docente, é importante destacar a participação dos protagonistas, “a inclusão da Educação popular nos debates abriu espaço a representantes da Educação indígena, Educação de Jovens e Adultos- Eja, e todos foram contemplados nas metas e propostas finais”.

O texto aprovado na Conae serve como base ao Projeto de Lei que o MEC enviará ao Congresso, e por sua vez fará parte da composição do PNE – Plano Nacional de Educação, com vigência para o decênio 2024/2034.

Metas – Subscritas na Conferência preveem o acesso e permanência na escola, melhoria da qualidade do ensino, expansão da Educação pública, estipulação de níveis de investimento e disciplina dos instrumentos de gestão, avaliação e fiscalização.

Discussão – As discussões foram produtivas e prometem consolidar outra realidade educacional, conforme diz Pâmela: “Participei do Eixo II, que discutiu a Educação Infantil, eu e muitos delegados percebemos que o governo olha com atenção e quer fortalecer o aspecto democrático e emancipador para que crianças e jovens tenham uma Educação séria”

As propostas elencadas na Conae abrangem diversos direcionamentos como:

– Revogação do Ensino Médio e substituição por um modelo novo.
– Revogação da BNCC e substituição por projeto a ser criado.
– Universalização da pré-escola a partir dos 4 anos, Ensino Fundamental de 9 anos e garantia de Educação para toda a população até 17 anos.
– Triplicar matrículas da Educação no Ensino Médio.
– Educação Integral (sete horas) para no mínimo 50% dos estudantes.
– Padrões de qualidade da Educação a Distância.
– Implantação efetiva do custo aluno-qualidade, patamar mínimo a ser investido considerando qualidade do ensino.
– Investimento de 10% do PIB.

Para a professora, “as propostas elaboradas nos vários eixos foram muito bem construídas, dão continuidade à nossa luta e ajudarão a nortear os documentos futuros para uma Educação de qualidade”.

Revogação – Discussão que agitou o evento foi a revogação do Ensino Médio e da BNCC – Base Nacional Comum Curricular, políticas da gestão Temer e Bolsonaro que abalaram a Educação e estão mantidas ainda sob o atual governo. Mas que têm apoio de uma ala mais à direita, como fundações e institutos empresariais, e com linha direta ao MEC.

União – Posicionamento contrário une professores e professoras, que exigem a imediata extinção dessas políticas, e expressaram suas críticas durante evento na capital federal, expondo faixas “Contra Lemann”. De acordo com a professora, “é urgente a reestruturação da BNCC e do Ensino Médio, e pra isso acontecer professores e a comunidade geral têm que pressionar, pois existem interesses que precisam ser combatidos”

Agora, professores e professoras continuarão a trabalhar para que este PNE seja conduzido com celeridade e garantir a aprovação, tendo em conta que o último (2014/2024) tramitou por quatro anos até se efetivar.

A Comissão de Redação da Conferência pretende entregar o documento final ao Ministro da Educação, Camilo Santana, logo a seguir ao carnaval.

MAIS – Sites da Fepesp e MEC.

Conteúdo Relacionado

Cesta básica sobe, mostra o Dieese

Pesquisa mensal do Dieese apura que em maio o valor do conjunto de alimentos básicos aumentou em 11 das 17 Capitais. A Pesquisa Nacional...

Sindicato de Niterói firma aditivo com avanços

Mais uma vitória para uma grande parcela de frentistas no Estado do Rio de Janeiro. Desta vez, de Araruama, Cachoeira de Macacu, Guapimirim, Iguaba...

Miguel da Força defende democracia e inclusão

Na quarta (12), Miguel Torres falou em nome do sindicalismo nacional e da classe trabalhadora na Conferência da Organização Internacional do Trabalho, em Genebra,...

CUT debate os impactos dos parques eólicos para a classe trabalhadora

A CUT debateu nesta terça-feira (11) e quarta-feira (12) em Natal, no Rio Grande do Norte, os impactos dos parques eólicos nas comunidades locais,...

Químicos de Rio Claro fazem Curso de Fortalecimento da CIPA

O Sindicato dos Químicos de Rio Claro e Região, em parceria com o DIESAT e com o apoio da FEQUIMFAR, realiza entre os dias 10...