Dirigentes frentistas denunciam descaso patronal em Tocantins

0
154
Frentistas Tocantins

Os Sindicatos de Frentistas de Tocantins (Sintrapostos Araguaína e Sintrapostos Palmas) tentam, há vários meses, negociar a Convenção Coletiva de Trabalho da categoria com o patronal. Sem sucesso.

Os dirigentes repudiam a postura do sindicato de donos de postos, que se nega a sentar para conversar sobre os direitos trabalhistas dos Frentistas de Tocantins. A data-base dos trabalhadores é 1º de março.

Em 5/9, líderes da categoria compareceram a mais uma audiência de conciliação, com presença do juiz e do promotor público. Os representantes do patronal e seu corpo jurídico faltaram, e ainda, não justificaram a ausência.

Foi a segunda tentativa de conversa mediada pelo Judiciário. As outra reunião ocorreu em 3 de agosto, quando também não houve avanço na negociação.

Abuso – Presidente do Sindicato de Palmas, Carlos Pereira Mota Milhomem da Silva avalia: “É um abuso do lado patronal. Estamos trilhando a luta na Justiça. Ao mesmo tempo, os acordos coletivos que temos conseguido garantem alívio aos frentistas.”

Neurivan Coelho, presidente do Sintrapostos Araguaína, lembra que é dever do patronal representar os interesses dos empresários do setor. Ele diz: “Ambas as partes devem cumprir com suas responsabilidades e agir de forma ética e responsável nas negociações”.

Campanha – Os representantes dos trabalhadores tentaram enviar a pauta ainda em fevereiro, mas não eram atendidos na sede do patronal. Depois, por várias vezes, insistiram nas tentativas de negociação.

O Sintrapostos Palmas e Região representa 4.800 trabalhadores em várias partes do Estado. O Sintrapostos Araguaína e Região atende o restante do território e representa 3.900 na base.

Na última audiência de conciliação, em 5/9, participaram os seuintes dirigentes frentistas: Carlos Pereira Mota Milhomem da Silva (Palmas), Neurivan Coelho de Oliveira (Araguaína); Luciano Alves da Silva (Palmas); e Andreys César da Silva (Palmas). Estiveram acompanhados dos advogados Gabriel França Daltoé e Adilar Daltoé.

2022 – Sobre a campanha salarial anterior, do ano passado, os Sindicatos entraram com ação civil pública contra o patronal para tentar resolver a disputa. O motivo: os donos de postos se recusaram a negociar.

MAIS – Acesse as redes do Sintrapostos Palmas e Sintrapostos Araguaína.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui