25.5 C
São Paulo
terça-feira, 23/04/2024

Força-PR repudia venda da Copel

Data:

Compartilhe:

A Força Sindical Estadual do Paraná emitiu Nota em que repudia a proposta do governo Ratinho Junior de privatizar a Companhia Paranaense de Energia – Copel. Segundo a Central, que no Estado é presidida pelo dirigente metalúrgico Sérgio Butka, essa medida beneficiaria o setor especulativo em detrimento da população.

“Abrir mão de uma empresa sólida, lucrativa, socialmente relevante e que tem um papel relevante no desenvolvimento do Paraná é equívoco deliberado do governo Ratinho Junior”, diz o documento.

Para Butka, o que parece é que o governo tenta aprovar a proposta a todo custo, sem discussão e diálogo com a sociedade. De acordo com o dirigente, falta transparência no processo.

“Quem será favorecido? Qual verdadeiro prejuízo para o povo paranaense?”, questiona o presidente da Força Sindical do Paraná.

NOTA – Leia abaixo na íntegra.

Nota da Força Sindical do Paraná contra venda da Copel

A Força Sindical do Paraná em nome dos milhares de Trabalhadores que representa, manifesta seu posicionamento contrário à proposta de privatização da Companhia Paranaense de Energia – Copel – feita pelo Governo do Estado nesta semana.

A proposta de abrir mão de uma empresa sólida, lucrativa, socialmente relevante e que tem um papel relevante no desenvolvimento do Paraná, mostra-se como equívoco deliberado do governo Ratinho Junior, que somente vai beneficiar o setor financeiro especulativo.

A pressa em querer aprovar a proposta a todo custo, sem uma profunda discussão e debate com a sociedade paranaense, evidencia ainda mais a falta de transparência e permite que o povo paranaense levante dúvidas sobre o comportamento do governo. Quem será favorecido ? qual verdadeiro prejuízo para o povo paranaense?

TRANSPARÊNCIA JÁ!

Enquanto diversos países do primeiro mundo começam a reestatizar seu setor de energia devido ao fracasso do processo de privatização que só trouxe prejuízos às suas populações, o Paraná prefere ir na contramão da história, entregando seu patrimônio nas mãos do capital especulativo. Estudo do Instituto Holandês Transnacional (TNI) mostra que, entre os anos de 2000 e 2015, foram identificados 235 casos de remunicipalização /reestatização de sistemas de água e esgotos, abrangendo 37 países e um total de mais de 100 milhões de pessoas, devido ao resultado desastroso da privatização, que só aumentou tarifas, não realizou investimentos e sucateou o setor. Não é para menos, ao capital interessa somente o lucro. Não há espaço para o social.

Dessa forma, esperamos que os deputados do Paraná honrem o cargo para o qual foram eleitos, o de defender os interesses da população paranaense, e barrem esse retrocesso. O povo do Paraná não pode ficar refém do capital especulativo.

Sérgio Butka
Presidente da Força Sindical do Paraná

Conteúdo Relacionado

Engenheiros abrem campanha salarial

Acontece quarta, 24, o XXIII Seminário sobre Campanhas Salariais do Sindicato dos Engenheiros do Estado de São Paulo. Será no auditório do Seesp, à...

Economista explica melhora na renda

A renda per capita no Brasil bateu recorde de crescimento em 2023. Subiu de R$ 1.658,00 pra R$ 1.848,00, alta de 11,5% em relação...

Sindicalismo perde Chicão

Com imensa tristeza, vimos informar a morte de Francisco Cardoso Filho, Chicão, que presidiu o Sindicato dos Metalúrgicos de Guarulhos e Região de 1987...

Alimentação busca regulamentar custeio sindical

O pedido de isenção da contribuição sindical por parte do trabalhador só pode ser feito antes da assembleia da categoria. Esta é a posição...

Escola do Sinpro SP promove novos cursos

A Escola de Professores do Sinpro SP está com vagas abertas para dois novos cursos neste mês de abril. A programação é voltada para...