13.2 C
São Paulo
domingo, 21/07/2024

Início de uma jornada – Edson Carvalho

Data:

Compartilhe:

Jornada – Este é o primeiro editorial sob a minha gestão e quero falar um pouco dos caminhos que pretendo seguir. Assumi um Sindicato funcionando bem, que presta excelentes serviços à categoria, seja em relação a boas condições de vida e de trabalho, seja na defesa dos nossos direitos.

Isso ocorre porque temos excelentes diretores e funcionários, que devem ser reconhecidos e valorizados.

Um Sindicato moderno deve ser combativo, mas não pode deixar de lado o caráter associativo, que proporciona qualidade de vida e agrega benefícios.

O salário valorizado no final do mês vale muito, mas a família feliz, com lazer e bem cuidada não pode ser deixada de lado.

Por outro lado, devemos estar presentes nas bases, divulgando nosso trabalho e verificando as necessidades da categoria.

Após o falecimento do querido amigo Walter, sai diretamente do “chão de loja” para a presidência do Sindicato. Senti na pele as dificuldades dos últimos anos, com lojas fechadas por causa da pandemia, a inflação, o desemprego, a carestia e os juros altos. Foi um tempo de sofrimento e sei que precisamos superar as feridas e os prejuízos que isso nos deixou.

Entretanto, neste momento, a pior doença que temos são os juros altos. A inflação está em queda e estamos retomando a normalidade, apesar do alto desemprego, mas os juros no Brasil são absurdos.

A taxa Selic, que está em 13,75% ao ano, é a mais alta do mundo. Ela é fixada pela diretoria do Banco Central – BC, que tem autonomia por causa de uma lei aprovada no governo passado. O BC é presidido por Roberto Campos Neto, indicado por Bolsonaro, e seu mandato só acaba em 2024. Mesmo com a inflação caindo, ele não abaixa os juros. A taxa Selic alta custa milhões de reais para a dívida pública, dinheiro que vai para o bolso de investidores e deixa de ser aplicado em hospitais e escolas.

E não apenas isso, os juros altos causam um estrago nas nossas vendas, porque o crediário fica mais caro, as pessoas compram menos e muitos dos que se arriscam, não conseguem pagar as prestações, o que aumenta ainda mais as taxas das financeiras.

Com menos vendas, menos empregos e menos gente investindo na grande magazine ou no mercadinho da esquina. Ninguém se arrisca, fica tudo parado!

Não há motivo para os juros continuarem nas alturas. Até o tal do arcabouço fiscal (palavra complicada, mas que significa que o governo não vai gastar o que não tem) foi aprovado e deu garantias para essa redução. O movimento sindical deve se manifestar e pressionar nessa direção e nós vamos fazer parte disso.

Por fim, aproveito para dizer que contamos com a participação dos colegas comerciários, sobretudo pela sindicalização.

Também conto com o apoio da nossa Federação, que sob a liderança do nosso presidente, Deputado Federal Motta, faz excelente trabalho.

É apenas o início de uma grande jornada, vamos trabalhar juntos em busca de dias melhores.

Edson Carvalho
Presidente do Sincomerciários de Guarulhos e Região

Conteúdo Relacionado

Mobilização nacional pela redução das taxas de juros – Adilson Araújo

CTB na luta pela redução da taxa de jurosAproxima-se a data definida pelas centrais sindicais para a realização de uma manifestação nacional pela redução...

Morrer pobre não é opção: é uma imposição! – Eduardo Annunciato Chicão

Quantas pessoas você conhece que querem morrer pobres? Mesmo alguém mais simples, com pouca ou nenhuma escolaridade, que não foi dominado pela ambição materialista...

Debate sobre financiamento da Previdência Social não pode ser de cima para baixo – Milton Cavalo

Uma conversa entre o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, e o senador do Distrito Federal, Izalci Lucas (PL), durante a última sessão ordinária da...

O bolsonarismo define estratégia para 2026: o Senado Federal – Marcos Verlaine,

Como o principal líder do bolsonarismo — apelido dado à extrema-direita brasileira — está inelegível até 2030 — esse segmento político, que até 2013...

O papel social do esporte -Ricardo Pereira de Oliveira

Um problema antigo no Brasil é a falta de continuidade nos projetos, obras ou iniciativas que dão certo.Por isso, considero um tremendo êxito o...