23.4 C
São Paulo
sábado, 15/06/2024

Justiça determina reintegração de bancários demitidos na pandemia

Data:

Compartilhe:

A Justiça trabalhista tem concedido liminares para reintegração de bancários demitidos durante a pandemia. As demissões contrariam compromisso assumido na mesa de negociação entre a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) e a Confederação Nacional dos Bancários, Contraf-CUT.

Segundo reportagem publicada quinta, 22, no jornal Valor Econômico,  neste ano foram distribuídos mais de 11 mil processos trabalhistas contendo os termos pandemia e reintegração. Deste total, 417 foram contra o Santander, 283 contra o Bradesco e outras 177 contra o Itaú Unibanco.

Reintegração – A advogada Cristina Stamato, que atua junto ao Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Bancários de Nova Friburgo e o de Niterói e Região, conta à reportagem do Valor ter ajuizado 32 ações. Ela obteve seis reintegrações e sete negativas. Ela vai recorrer sob a alegação que os bancos registraram lucros mesmo durante a crise.

De acordo com levantamento do Valor Data, o Itaú Unibanco teve lucro líquido de R$ 8,1 bilhões no 1º semestre de 2020. O Bradesco registrou R$ 7,6 bilhões, e o Santander teve R$ 6 bilhões de lucro.

Demissões – Dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério da Economia, apontam que os bancos já demitiram mais de 12 mil trabalhadores somente nos dez primeiros meses deste ano. Somente o Santander teria demitido 1,1 mil funcionários desde o mês de junho. Já o Itaú Unibanco teria demitido outros 130 trabalhadores desde o início de setembro. O Bradesco teria desligado outros 566 bancários somente em outubro.

Juvândia Moreira, presidente Contraf-CUT, afirma que o volume de demissões pode ser ainda maior, uma vez que nem todas são homologadas pelos sindicatos desde que a reforma trabalhista entrou em vigor.

“Na mesa de negociações cobramos e os grandes bancos se comprometeram a não demitir na pandemia. A pandemia não acabou e o compromisso tem que ser mantido”, relatou Juvandia Moreira, que é também coordenadora do Comando Nacional dos Bancários.

Campanha – Para denunciar a situação à população a categoria lançou Campanha Nacional. Manifestações, protestos em frente a agências bancárias e outras ações nas redes sociais denunciam a quebra de compromisso e o aumento no volume das demissões.

Mais – Acesse o site da Contraf-CUT.

Conteúdo Relacionado

Cesta básica sobe, mostra o Dieese

Pesquisa mensal do Dieese apura que em maio o valor do conjunto de alimentos básicos aumentou em 11 das 17 Capitais. A Pesquisa Nacional...

Sindicato de Niterói firma aditivo com avanços

Mais uma vitória para uma grande parcela de frentistas no Estado do Rio de Janeiro. Desta vez, de Araruama, Cachoeira de Macacu, Guapimirim, Iguaba...

Miguel da Força defende democracia e inclusão

Na quarta (12), Miguel Torres falou em nome do sindicalismo nacional e da classe trabalhadora na Conferência da Organização Internacional do Trabalho, em Genebra,...

CUT debate os impactos dos parques eólicos para a classe trabalhadora

A CUT debateu nesta terça-feira (11) e quarta-feira (12) em Natal, no Rio Grande do Norte, os impactos dos parques eólicos nas comunidades locais,...

Químicos de Rio Claro fazem Curso de Fortalecimento da CIPA

O Sindicato dos Químicos de Rio Claro e Região, em parceria com o DIESAT e com o apoio da FEQUIMFAR, realiza entre os dias 10...