19.1 C
São Paulo
segunda-feira, 24/06/2024

Mortos, feridos e dúvidas em acidente na fábrica de Cabreúva

Data:

Compartilhe:

Ontem, dia 4, a Agência Sindical entrevistou o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Itu e Região. A entidade representa a base de Cabreúva, onde, na sexta, ocorreu explosão em fábrica, deixando mortos e feridos com queimaduras graves. O presidente é Manoel Neres de Souza, operador de máquinas.

“O nome do proprietário da empresa eu não sei, pois sempre tratei com o gerente Mauro ou o Supervisor de Segurança”, conta. Presidente e gerente conversaram logo depois da explosão, que a imprensa noticiou ser em caldeira, mas Manoel afirma que é num forno.

A empresa é a Tex Tarugos para Extrusão, cujo histórico é bem ruim. Ela teve a licença de operação negada pela Cetesb. A rigor, não poderia estar funcionando. A Tex não atendeu às exigências do órgão durante o processo de licenciamento ambiental. Segundo a Cetesb, empresa já foi multada duas vezes, “por funcionamento irregular e ampliação”.

O prefeito foi ao local do acidente. Manoel, presidente do Sindicato, também. De acordo com o sindicalista, “nas vezes em que estivemos na empresa, pareceu que os empregados usavam EPI”. Sobre a Cipa (Comissão Interna de Prevenção de Acidentes), afirma: “A papelada no Sindicato indica que funcionava”.

Tex – Empresa recicla e funde alumínio, transformando em tarugos, diz o sindicalista. Fato que, segundo ele, “requer altas temperaturas”. Manoel explica que a fundição era feita em fornos, um dos quais teria explodido.

A empresa fica em Cabreúva, com 47 mil habitantes. O atendimento às vítimas foi feito por Samu e também o Corpo de Bombeiros. Dos socorridos, sete, em estado grave, foram levados a hospitais mais bem equipados. Manoel fala em 11 feridos graves. A Polícia Civil interditou o local, porém, antes houve fiscalização por Agentes do Ministério do Trabalho. O ministro Marinho não fez contato. “Mas telefonou o Douglas, do Ministério”, diz o presidente.

Não havia menores trabalhando. O presidente Manoel Neres de Souza informa que os empregados recebem adicional de insalubridade. Havia negociação com a empresa acerca de eventual terceiro turno “e implantação da jornada 12 por 36”, conta o dirigente.

O Sindicato desconhe emissão de CAT – Comunicação de Acidente de Trabalho – pela empresa. O prazo pra homologações é de 10 dias – “serão feitas no Sindicato”, assegura o presidente. Agentes do Ministério – unidade de Sorocaba – visitaram o local do acidente. O Sindicato também mobilizou o Cerest de Indaiatuba.

Filiado à CUT, o Sindicato tem 23.600 na base. Entidades sindicais da região se prontificaram a ajudar as vítimas. “Nosso Jurídico está à disposição de trabalhadores e parentes das vítimas”, diz Manoel. “Mas precisaremos ter os laudos pra atuar de modo mais efetivo”, observa.

MAISwww.metalurgicosdeitu.com.br

Conteúdo Relacionado

Avançam as negociações pró-custeio sindical

Centrais, Confederações e outras entidades, com apoio das assessorias, articulam em Brasília um modelo estável de custeio sindical.Para André Santos, originário do Diap e...

Sindicato dos Metalúrgicos negocia e mais 400 recebem PLR

O Sindicato dos Metalúrgicos de Guarulhos e Região conduziu, entre segunda (17) e terça, dia 18, mais duas assembleias de Participação nos Lucros e/ou...

Greve na Renault conquista R$ 25 mil de PLR

A forte greve na Renault/Horse, em São José dos Pinhais, PR, terminou com avanços. Após o fim da movimento, de um mês, a empresa decidiu...

Comerciários aumentam serviço médico

O Sindicato dos Comerciários de Guarulhos aumentou as parcerias médicas. Agora, além de tratamento odontológico, sócios e dependentes dispõem de consulta gratuita com cardiologista...

Centrais e Lula clamam pela queda dos juros

As Centrais Sindicais protestaram na terça (18) em frente ao Banco Central, em SP, reivindicando a continuidade da queda nas taxas de juros -...