17.2 C
São Paulo
sábado, 20/04/2024

Quatro indicadores de miséria

Data:

Compartilhe:

As direções sindicais devem continuar a fazer esforços para botar de pé a campanha nacional e popular contra a carestia. Com isto têm interesse em melhorar as condições de luta nas próximas campanhas salariais, garantindo a relevância dos Sindicatos.

É o que farão as direções das centrais sindicais no dia 14 de junho, em frente à sede do Banco Central, na Avenida Paulista, protestando contra os juros altos (que serão anunciados) e contra a carestia, retomando agora uma prática recorrente em anos anteriores (desta vez será distribuída pipoca aos transeuntes).

O duplo protesto facilitará amanhã a luta por reajustes salariais e aumentos reais nas negociações.

Alguns dirigentes de federações de trabalhadores vêm tentando antecipar as próprias datas destas negociações preservando a orientação sindical e fugindo do esquentamento da disputa eleitoral.

A conjuntura para a luta dos trabalhadores está crescentemente difícil. A demonstração disto pode ser entendida numericamente com a utilização do índice de miséria, criado nos anos de 1960-70 pelo economista Arthur Okun que somava o índice de desemprego com o índice da inflação; quanto maior o resultado, pior a conjuntura.

Aqui no Brasil os economistas João Saboia, João Hallak Neto e François Roubaud atualizaram tal índice acrescentando aos dois itens originais (mantido o da inflação e substituído o da desocupação pela subutilização da força de trabalho), o rendimento médio da força de trabalho e o nível de inadimplência da população.

A partir de meados de 2020 “há uma disparada atingindo no final de 2021 o valor mais alto de todo o período analisado” (desde 2012).

(O artigo foi publicado no Valor do dia 7 de junho e sinto não saber reproduzir o gráfico que o acompanha.)

Nesta conjuntura difícil é essencial garantir a unidade das direções e o empenho em defesa dos interesses dos trabalhadores e da sociedade todos eles agredidos pelos quatro indicadores de miséria cuja resultante é a fome.

João Guilherme
João Guilherme
Consultor sindical e membro do Diap. E-mail joguvane@uol.co.br

Conteúdo Relacionado

Trabalhadores marcharão à Brasília por democracia e justiça – Ismael Cesar

Deliberado no Congresso Nacional da Central Única dos Trabalhadores, ocorrido em outubro de 2023, a Marcha da Classe Trabalhadora à Brasília, está marcada para...

A importância e os desafios das frentes parlamentares – Antônio Augusto de Queiroz

As frentes parlamentares e bancadas informais desempenham papel relevante no cenário político, representando forma interessante de articulação, representação e influência para interesses diversos. Compostas...

Fiscalização da Previdência brasileira garante proteção – Wanderson Ferreira

A Previdência Social parte do princípio de que todos os trabalhadores precisam estar seguros em caso de perda de a capacidade de trabalhar, o...

Decisão lamentável – João Guilherme

Recentemente o juiz Eduardo Pires, da 30ª Vara do Trabalho de São Paulo, decidiu que o trabalhador não sindicalizado não tem direito aos benefícios...

Privatizar a educação pública beneficia apenas os tubarões da educação – Francisca Rocha

Desde que assumiu o governo de São Paulo, Tarcísio de Freitas trabalha diariamente com a tese de destruição do Estado e privatização de todo...