17.4 C
São Paulo
sábado, 20/04/2024

Retomar obras é prioridade para engenharia

Data:

Compartilhe:

Retomar obras paralisadas é prioridade para engenharia nacional | Proposta é defendida pela FNE no âmbito do projeto “Cresce Brasil” e reafirmada pela diretoria 2022-2025 que tomou posse na segunda-feira (2/5). Objetivos são aquecer a economia, gerar empregos e oferecer equipamentos públicos essenciais à população.

Há tempos, a Federação Nacional dos Engenheiros (FNE) vem defendendo uma medida essencial em prol do desenvolvimento nacional: retomar as obras públicas paralisadas. Num cenário de alto desemprego, queda da renda e aumento da pobreza, a iniciativa teria o papel de ativar rapidamente a economia e ao mesmo tempo oferecer equipamentos públicos essenciais, beneficiando a população duplamente.

Como aponta a edição “Recuperação pós-pandemia” do projeto “Cresce Brasil + Engenharia + Desenvolvimento”, o primeiro ponto essencial nessa empreitada é um levantamento preciso de quantas e quais são essas obras e por quais motivos foram interrompidas.

Na falta de uma apuração oficial que ainda precisa ser feita por órgão competente do Poder Executivo, inúmeras instituições têm contribuído para que se tenha noção do tamanho do desafio pela frente. A mais recente é a Confederação Nacional de Municípios (CNM), que divulgou em abril estudo apontando 7 mil obras paralisadas, entre escolas, postos de saúde, casas populares, pavimentação de estradas, canalização de esgoto e iluminação pública. Sem avanços há mais de 180 dias, esses empreendimentos somariam investimentos de R$ 9,3 bilhões.

A tarefa de verificar o que é importante que tenha continuidade, reunir as condições para tanto e realizar o necessário certamente é enorme e complexa, mas também inadiável. Isso envolve planejamento, destinação de recursos adequados, acompanhamento e fiscalização.

Como também a nossa federação vem afirmando, para que seja possível, é preciso que governo e Parlamento abandonem a visão fiscalista que engessa qualquer tentativa de avanço nacional e pensem de forma estratégica. Crescimento e aumento do poder aquisitivo representam também maior arrecadação pública e podem gerar um círculo virtuoso, tirando-nos do pântano da retração.

Convicta da importância dessa bandeira, a FNE seguirá defendendo-a, especialmente neste ano eleitoral em que os candidatos precisam assumir compromissos reais e concretos com a melhoria das condições de vida dos brasileiros.

Oportunamente, a entidade reafirmou sua disposição de luta pela engenharia, seus profissionais e o desenvolvimento nacional durante a cerimônia de posse de sua diretoria para a gestão 2022-2025, realizada ontem (2/5). De fundamental importância simbólica para marcar a continuidade desse trabalho, o evento híbrido reuniu autoridades, dirigentes, colaboradores e demais convidados, que participaram remota ou presencialmente no auditório do SEESP, em São Paulo. Além do congraçamento pelo início da nova gestão, foi notório o consenso em torno da necessidade de construirmos um país melhor. Seguimos juntos.

Clique aqui e leia mais artigos de Murilo Pinheiro.

Murilo Pinheiro
Murilo Pinheiro
Murilo Pinheiro é presidente do Sindicato dos Engenheiros do Estado de São Paulo (Seesp) e da Federação Nacional da categoria (FNE)

Conteúdo Relacionado

Trabalhadores marcharão à Brasília por democracia e justiça – Ismael Cesar

Deliberado no Congresso Nacional da Central Única dos Trabalhadores, ocorrido em outubro de 2023, a Marcha da Classe Trabalhadora à Brasília, está marcada para...

A importância e os desafios das frentes parlamentares – Antônio Augusto de Queiroz

As frentes parlamentares e bancadas informais desempenham papel relevante no cenário político, representando forma interessante de articulação, representação e influência para interesses diversos. Compostas...

Fiscalização da Previdência brasileira garante proteção – Wanderson Ferreira

A Previdência Social parte do princípio de que todos os trabalhadores precisam estar seguros em caso de perda de a capacidade de trabalhar, o...

Decisão lamentável – João Guilherme

Recentemente o juiz Eduardo Pires, da 30ª Vara do Trabalho de São Paulo, decidiu que o trabalhador não sindicalizado não tem direito aos benefícios...

Privatizar a educação pública beneficia apenas os tubarões da educação – Francisca Rocha

Desde que assumiu o governo de São Paulo, Tarcísio de Freitas trabalha diariamente com a tese de destruição do Estado e privatização de todo...