18.9 C
São Paulo
sexta-feira, 24/05/2024

Sindicalistas criticam privatização da Sabesp

Data:

Compartilhe:

Mais de 300 pessoas participaram do protesto em frente à Bolsa de Valores de SP, nesta terça (14), contra a privatização da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo – Sabesp.

Além de profissionais do saneamento e energia elétrica, o ato reuniu Sindicatos, Federações, movimentos populares, Centrais Sindicais e parlamentares contra a intenção do governador Tarcísio de Freitas de entregar o sistema de água e saneamento à iniciativa privada.

Secretário de Imprensa do Sindicato dos Trabalhadores em Água, Esgoto e Meio Ambiente do Estado de São Paulo (Sintaema), Renê Vicente, explica que o objetivo foi alcançado: fazer com que a luta ganhe caráter nacional. “O movimento se ampliou. Participaram trabalhadores de dez estados, entre eles, Rio de Janeiro, Paraná, Santa Catarina, Minas Gerais, Roraima, Goiás”.

Lucrativa – A Sabesp atende atualmente 375 municípios paulistas, onde vivem 28,4 milhões de pessoas. Somente no primeiro semestre do ano passado, lucrou 1,4 bilhão de reais.

Para Murilo Pinheiro, presidente do Sindicato dos Engenheiros no estado de SP (Seesp) nada justifica a entrega da empresa – que é lucrativa, eficiente e referência internacional – para a administração privada. “Naturalmente, as empresas que assumirem as concessões terão interesse apenas nos setores considerados lucrativos, deixando ao poder público desaparelhado a tarefa de levar água e esgoto ao restante dos locais”, afirmou o presidente do Seesp.

População – Durante o ato, sindicalistas alertam que a campanha não interessa apenas aos trabalhadores do setor, mas à população em geral, que será penalizada com o aumento da tarifa, além do risco de desabastecimento nos munícipios mais pobres, que terão alto custo, diante da necessidade de investimentos.

“O custo para encher uma caixa d’agua de 40 litros é de R$ 0,40, enquanto o preço de uma garrafa de água de 200ml não sai por menos que R$ 1,00. Porque a iniciativa privada prioriza o lucro acima de tudo”, destaca Eduardo Annunciato, o Chicão, presidente da Fenatema (Federação Nacional dos Trabalhadores em Água, Energia e Meio Ambiente) e do Sindicato dos Eletricitários de SP.

Opinião reforçada pelo vice do Seesp, João Carlos Gonçalves Bibbo, presente na atividade. “Esse ato serviu denunciar as mentiras propagadas pelos privatistas à população: a tarifa não será reduzida. Pelo contrário vai aumentar. Portanto, vamos fortalecer essa luta e dizer: não à privatização da Sabesp”, finalizou Bibbo.

Agenda – No Dia da Água, celebrado em 22 de março, os trabalhadores devem realizar novos protestos em defesa da Sabesp.

Cartilha – As entidades prepararam um material explicativo sobre os reais motivos e prejuízo da privatização da Sapesp. Clique aqui e leia.

Mais  – Acesse o site do Sintaema e do Seesp.

Conteúdo Relacionado

Diap divulga prioridades para 2024

O Diap (Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar) divulgou na quarta, 22, estudo que aponta as principais prioridades da classe trabalhadora brasileira para 2024.Intitulado "Pauta...

Abril tem ganho real em 77% das negociações

Os reajustes salariais em abril tiveram ganho real em 77% dos casos, segundo dados do boletim do Dieese que avalia as negociações coletivas no...

Engenharia pode ajudar Sul a se reerguer

Há vários anos, o Sindicato dos Engenheiros no Estado de São Paulo (Seesp) e a Federação Nacional da categoria defendem que Prefeituras e governos...

Caem os aumentos reais

Caiu em relação aos meses anteriores o índice de aumentos reais nas negociações coletivas. Os dados constam do mais recente boletim do Dieese -“De...

Plenária une ação de massa e diálogo político

Um sindicalista metalúrgico presente à Plenária Unitária das Centrais nesta quarta (22), em Brasília, avaliou como “muito positivas as ações de massa e também...
Artigo anterior
Próximo artigo