19.2 C
São Paulo
quarta-feira, 29/05/2024

Avanço do coronavírus recoloca importância de fortalecer o SUS

Data:

Compartilhe:

Há muito, o Sistema Único de Saúde é vítima da falta de recursos e da insensibilidade de governos. Com o avanço dos casos do coronavírus, declarado como pandemia pela Organização Mundial da Saúde, o fortalecimento do SUS retoma o centro das atenções.

A necessidade de recursos para reforço ao sistema de saúde pública foi reconhecida pelo próprio ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, quarta (11) no Congresso Nacional.

O governo Bolsonaro, que vinha aprofundando os ataques ao sistema público, pede agora suplementação orçamentária de R$ 5 bilhões pra combater a disseminação da Covid-19. Segundo o ministro da Saúde, a contaminação pode ganhar progressão geométrica; a situação é alarmante e o País tem que se preparar. Ele fez um apelo pedindo recursos e disse que o SUS pode não suportar toda a demanda.

Mandetta anuncia que a Agência Nacional de Saúde vai obrigar hospitais privados e planos de saúde a atender os pacientes e a lidar com os efeitos do coronavírus. Atualmente, os testes e cuidados com os pacientes não são cobertos pelos planos, já que os exames não estão no rol de procedimentos de cobertura obrigatória.

Orçamento – Para Gerson Salvador, diretor do Sindicato dos Médicos de São Paulo (Simesp), a falta de investimentos no SUS levou a saúde pública à beira do caos, inclusive com a volta de doenças já erradicadas. Ele diz: “Agora, durante a crise relacionada à pandemia do coronavírus, fica mais claro que oferecer saúde custa caro. Mas não oferecer custa mais caro ainda, no que diz respeito aos impactos na economia e na saúde das pessoas”.

Centrais – O movimento sindical também pede empenho dos Poderes no enfrentamento da crise. Após reunião quinta (12), no Dieese, dez Centrais divulgaram Nota cobrando “a abertura de discussão sobre medidas emergenciais para a proteção de todos os trabalhadores, formais e informais, e de seus emprego e renda”. O documento reforça “a importância do fortalecimento da saúde e dos serviços públicos, e de seus trabalhadores”, fundamentais “para a mitigação dos riscos e o controle da doença”. Clique e leia a Nota pública das Centrais Sindicais

Os sindicalistas entendem, também, ser necessário que as discussões de medidas em curso no Congresso e no Judiciário, que atacam direitos trabalhistas e sindicais, sejam suspensas. As Centrais voltam a se reunir segunda (16). Elas tratarão também do protesto dia 18, em defesa dos Serviços Públicos e de direitos dos Servidores.

Conteúdo Relacionado

Brinks Limão elege nova Cipa

Dia 22, ocorreu nova eleição da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa) na Brinks Limão, em São Paulo.Acompanharam as votações, das 5 da...

Clube e Colônia dos Metalúrgicos ficarão abertos no feriado

O feriado prolongado, de quinta a domingo, estimula o lazer das famílias e a prática de esportes. Portanto pra quem vai emendar o feriado...

Sindicalista Magri faz mudança audaciosa

Entre meados dos anos 70 e durante a década de 80, ele foi um dos principais dirigentes brasileiros. Do alto do seu porte, forjado...

Frentistas do Paraná fecham Convenção

Em negociação conjunta, os Sindicatos de Trabalhadores de Posto de Combustíveis e Lojas de Conveniência de Cascavel, Ponta Grossa, Londrina, Curitiba e Maringá fecharam,...

Conheça a nova Pauta Sindical

Dia 22, a plenária das Centrais Sindicais atualizou a Pauta Unificada da Classe Trabalhadora aprovada em abril de 2022, com 63 itens. O documento...