19.4 C
São Paulo
domingo, 14/07/2024

Centrais apoiam greve nas montadoras de veículos dos EUA

Data:

Compartilhe:

Na sexta (15), os presidentes de nove Centrais Sindicais do Brasil divulgaram nota em apoio aos trabalhadores das montadoras de veículos dos EUA, que estão de braços cruzados.

Naquele país, o movimento é coordenado pelo sindicato United Auto Workers (UAW). Seus diretores classificaram ambas as ofertas como “insultantes” as propostas recentes de Ford, General Motors e Stellantis (Chrysler e Jeep).

Estas montadoras responderam à pauta da categoria, com sugestão de aumento de 9% ou 10% de reajuste salarial somente.

Diz um trecho da nota das Centrais: “A luta é uma reação às perdas salariais e aos ataques aos direitos dos trabalhadores das montadoras ocorridos por anos consecutivos.” O texto encerra assim: “Viva a solidariedade internacional!”

Confira a íntegra da manifestação das Centrais:

Todo apoio à greve dos trabalhadores das montadoras nos Estados Unidos

O conjunto das centrais sindicais brasileiras manifesta apoio incondicional aos trabalhadores da General Motors, Ford e Stellantis, nos Estados Unidos, que entraram em greve dia 15 de setembro de 2023.

Pela primeira vez na história do movimento de trabalhadores nos EUA, operários e operárias das três maiores fabricantes de automóveis cruzaram os braços ao mesmo tempo, em uma mobilização unitária.

A luta é uma reação às perdas salariais e aos ataques aos direitos dos trabalhadores das montadoras ocorridos por anos consecutivos.

Fábricas foram fechadas e os trabalhadores sofreram com a implantação de grades salariais rebaixadas e perda de direitos enquanto as três empresas obtinham lucros exorbitantes (obtiveram lucro de R$ 21 bilhões nos primeiros meses de 2023, segundo o UAW, United Auto Workers, sindicato que organiza os trabalhadores automotivos dos EUA e Canadá).

A greve dos trabalhadores das montadoras nos Estados Unidos é justa e deve ser apoiada por todos, a começar pelos trabalhadores de montadoras no Brasil, que enfrentam os mesmos problemas.

A solidariedade internacionalista é fundamental!

Por isso, chamamos todos os sindicatos, movimentos sociais e demais organizações democráticas a, através de ações de solidariedades, apoiar firmemente esta mobilização.

  • Pelo atendimento das reivindicações levantadas pelo o UAW!
  • Pela vitória dos trabalhadores nos Estados Unidos!
  • Viva a solidariedade internacional!

São Paulo, 15 de setembro de 2023

Sérgio Nobre, Presidente da CUT (Central Única dos Trabalhadores).
Miguel Torres, Presidente da Força Sindical.
Ricardo Patah, Presidente da UGT (União Geral dos Trabalhadores).
Adilson Araújo, Presidente da CTB (Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil).
Moacyr Roberto Tesch Auersvald, Presidente da NCST (Nova Central Sindical de Trabalhadores).
Antonio Neto, Presidente da CSB, (Central dos Sindicatos Brasileiros).
Atnágoras Lopes, Secretário Executivo Nacional da CSP-Conlutas.
Nilza Pereira, secretária geral da Intersindical Central da Classe Trabalhadora.
José Gozze, Presidente da PÚBLICA, Central do Servidor.
Emanuel Melato, Coordenador da Intersindical – Instrumento de Luta e Organização da Classe Trabalhadora.

Conteúdo Relacionado

Consultor vê País normalizado e Lula mais forte

O ambiente nacional está mais calmo. A economia vai bem. As relações entre Executivo e Legislativo avançaram. E as condições para o diálogo e...

Sindicato e UGT apoiam luta nos EUA

O Sindicato dos Comerciários de São Paulo (filiado à UGT) foi representado pela diretora Maria das Graças da Silva Reis nos atos da Campanha...

Futebol Metalúrgico faz final domingo

Termina dia 14, domingo, o 27º Campeonato de Futebol dos Metalúrgicos de Guarulhos e Região (Grande SP). Competição já teve 57 partidas, com 195...

Foi forte o Dia da Luta Operária

Teve grande participação sindical e popular a edição 2024 do Dia da Luta Operária, em 9 de julho. Mesmo com frio intenso e chuva,...

Mercado é 0,5% da população, diz economista

Nas últimas semanas, a palavra mercado foi uma das mais utilizadas na mídia, principalmente pelos comentaristas de economia.O viés ideológico dessa cobertura empodera o...