18.9 C
São Paulo
sexta-feira, 24/05/2024

Centrais saúdam MP do Mínimo

Data:

Compartilhe:

O mais grave problema brasileiro é o da concentração de renda – poucos ricos com quase tudo, muitos pobres com quase nada.
Só o crescimento da economia não garante a reversão do quadro. Nesse sentido, o Estado precisa agir, especialmente por meio das políticas de renda e inclusão social.

A Nota Unitária das seis Centrais dá argumentos pró-distribuição de renda. Ao mesmo tempo, resgata o Item 1 da Pauta Unitária da Classe Trabalhadora, aprovada pela terceira Conclat, em abril de 2022.

Item 1: – “Instituir uma política de valorização do salário mínimo que assegure a recomposição da inflação e um considerável aumento real para que, no médio prazo, o Piso Nacional seja capaz de atender as necessidades vitais básicas dos trabalhadores e de suas famílias, conforme definido na Constituição Federal”.

A NOTA:

“As Centrais celebram a aprovação da Medida Provisória (MP 1.172/23), que instituiu o reajuste do salário mínimo para R$ 1.320,00 e incorporou a política constante de valorização e recuperação do mínimo, além de expandir a isenção do imposto de renda para até R$ 2.640,00, após mais de sete anos de defasagem contínua.

A retomada da política permanente de aumento real ao salário mínimo, compromisso de campanha de Lula, representa uma vitória do movimento, beneficiando mais de 31,3 milhões de pessoas, segundo análise do Dieese.

As Centrais parabenizam os deputados e senadores pela aprovação da MP, que inaugura um novo ciclo para a classe trabalhadora do País.

Somos conscientes de que há muito a ser feito pela reconstrução nacional, que conta com o empenho do movimento sindical. Estamos diante de tarefas cruciais para os trabalhadores no próximo período, incluindo a construção de um sistema de relações trabalhistas mais moderno, sólido e que valorize a negociação coletiva, bem como assegurar a inclusão dos milhões que permanecem à margem dos direitos trabalhistas e da proteção social” – 25 de agosto de 2023
Sérgio Nobre, presidente da Central Única dos Trabalhadores; Miguel Torres, Força Sindical; Ricardo Patah, União Geral dos Trabalhadores; Adilson Araújo, Central dos Trabalhadores do Brasil; Moacyr Tesch Auersvald, Nova Central Sindical e Antônio Neto, CSB.

Conteúdo Relacionado

Diap divulga prioridades para 2024

O Diap (Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar) divulgou na quarta, 22, estudo que aponta as principais prioridades da classe trabalhadora brasileira para 2024.Intitulado "Pauta...

Abril tem ganho real em 77% das negociações

Os reajustes salariais em abril tiveram ganho real em 77% dos casos, segundo dados do boletim do Dieese que avalia as negociações coletivas no...

Engenharia pode ajudar Sul a se reerguer

Há vários anos, o Sindicato dos Engenheiros no Estado de São Paulo (Seesp) e a Federação Nacional da categoria defendem que Prefeituras e governos...

Caem os aumentos reais

Caiu em relação aos meses anteriores o índice de aumentos reais nas negociações coletivas. Os dados constam do mais recente boletim do Dieese -“De...

Plenária une ação de massa e diálogo político

Um sindicalista metalúrgico presente à Plenária Unitária das Centrais nesta quarta (22), em Brasília, avaliou como “muito positivas as ações de massa e também...