19 C
São Paulo
quinta-feira, 13/06/2024

Cesta básica aumenta e deve subir ainda mais

Data:

Compartilhe:

A Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos, promovida mensalmente pelo Dieese em 17 capitais brasileiras, aponta que o conjunto dos alimentos básicos aumentou em todos os locais pesquisados, em fevereiro. As altas mais expressivas são em Porto Alegre, Campo Grande, Goiânia e Curitiba.

De acordo com o levantamento do Dieese, São Paulo apresentou a cesta básica mais cara do País (R$ 715,65). Em seguida Florianópolis (R$ 707,56), Rio de Janeiro (R$ 697,37) e Porto Alegre (R$ 695,91).

Na comparação do valor da cesta básica nos últimos 12 meses, os preços dos alimentos oscilaram pra cima, entre 10%, como o registrado em Porto Alegre, e 23%, como o registrado em Campo Grande.

Tendência – Segundo Rodolfo Viana, economista responsável pela subseção do Dieese no Sindicato dos Metalúrgicos de Guarulhos e Região, a tendência é de que os preços dos alimentos subam ainda mais. Isso porque a Petrobras anunciou nesta quinta (10) um reajuste de 18,8% no preço da gasolina e de 24,9% no litro do diesel, que impactará em parte dos alimentos.

“O repasse será garantido. O aumento é, provavelmente, o maior realizado de uma só vez. O preço do diesel influencia diretamente o custo do transporte das cargas. É inevitável o repasse”, afirma Rodolfo.

Explicação – De acordo com Rodolfo, além da influência do combustível sobre o preço dos alimentos, há também o impacto causado pelo dólar, que referencia alimentos como soja, farinha de trigo, arroz e carne, e há, ainda, a questão da safra, que depende das condições climáticas. “Mas o dólar e o combustível são as que impactam mais forte e que, de certa forma, poderia ter intervenção nos preços”, explica o economista do Dieese.

Mínimo – A Pesquisa da Cesta Básica considera os alimentos necessários para uma família de quatro pessoas, sendo dois adultos e duas crianças. Para arcar com todos os custos de uma casa, com aluguel, contas de energia e água, alimentação, vestuário, transporte, cultura e lazer, o Dieese avalia que o salário mínimo necessário para manutenção de uma família deveria ter sido de R$ 6.012,18, o equivalente a 4,96 vezes o mínimo vigente, de R$ 1.212,00.

MAIS – Clique aqui e acesse a Pesquisa completa.

Conteúdo Relacionado

Bancários querem aumento real de 5%

Avança a campanha salarial do ramo financeiro ligado à Contraf-CUT. Um ponto alto foi a 26ª Conferência Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro, encerrada...

“É o meu maior prêmio”, afirma Ricardo Kotscho

Sexta, 7, no Dia da Liberdade de Imprensa, o jornalista Ricardo Kotscho recebeu o troféu Audálio Dantas, na Câmara Municipal de São Paulo. A...

Sinpro realiza encontro das Católicas

Aconteceu entre 7 e 8 de junho o Encontro Nacional de Professores e Estudantes das Universidades Católicas. Evento foi organizado pelo Sinpro Campinas, em...

Adriana Marcolino assume a direção-técnica

Fundado em 1955, o Dieese vive uma situação inédita, com duas mulheres no comando principal da entidade. Na presidência, a sindicalista Maria Aparecida Faria,...

Comerciários entregam jornal na base

Edson Carvalho, presidente do Sincomerciários de Guarulhos, esteve na loja de materiais de construção A&M, em Santa Isabel, SP. O assessor de base Adailton...