13.2 C
São Paulo
domingo, 21/07/2024

Da tempestade à bonança: o resgate em 2022

Data:

Compartilhe:

Dentre os diversos desafios que o Movimento Sindical terá de enfrentar em 2022, as eleições de outubro serão especialmente decisivas para o futuro da democracia no país. Mesmo em meio a difíceis negociações salariais, por vezes em cenários de estagnação econômica e insistentes ataques aos direitos trabalhistas, o processo eleitoral deve ocupar grande centralidade na pauta do Movimento Sindical brasileiro, pois o resgate de uma democracia forte, popular e representativa, em muito depende das eleições deste ano.

As pesquisas de intenção de votos têm mostrado a perda de popularidade de Bolsonaro em contraste ao fortalecimento da candidatura do ex-presidente Lula. Finalmente vislumbramos uma possibilidade de mudança dos rumos políticos e econômicos tomados pelo país desde o impeachment da presidenta Dilma em 2016, o que, entretanto, não torna a tarefa de disputa eleitoral na base menos árdua. O debate público não será fácil, tanto pelo agora reduzido – mas insistente – eleitorado bolsonarista, quanto pelas alternativas de “terceira via” forjadas por parte do empresariado nacional.

Para encarar este enorme desafio entendo que o Movimento Sindical deva priorizar a construção em unidade de uma candidatura expressiva, bem como apresentar ao conjunto da classe trabalhadora um projeto de desenvolvimento econômico construído a partir do diálogo social e da identificação das reais necessidades do povo brasileiro. No processo eleitoral que disputaremos este ano, o Movimento Sindical pode ser a ponte para um projeto popular que não aceita o retrocesso social, que não admite a volta do Brasil ao mapa da fome, que não permite a ampliação da população vivendo nas ruas e que não consente ao desprezo pela vida que marca o desgoverno de Bolsonaro no enfrentamento à pandemia.

Para colocar fim aos anos de retrocesso dos governos Temer e Bolsonaro, o Movimento Sindical tem de construir uma agenda de desenvolvimento industrial setorialmente articulada com a agricultura, comércio e serviços, capaz de retomar a atividade econômica de modo sustentável. Precisamos propor um programa de valorização do Sistema Único de Saúde e da educação em todos os níveis, para que a inclusão social seja feita de maneira ampla e eficaz para todas as gerações. Assim se torna incontornável enfrentar o debate público sobre o retrocesso da política do teto de gastos, da revisão através do diálogo das reformas trabalhista e previdenciária, do fim da política de valorização do salário mínimo, da destruição das áreas de preservação ambiental, da política de preços internacionais da Petrobras e o consequente abandono da soberania nacional.

Muito distante do governo Bolsonaro – que ainda este ano criou barreiras para impedir que pais e responsáveis pudessem vacinar e proteger seus filhos da Covid-19 – o Movimento Sindical esteve, e está, na linha de frente do combate à pandemia, tanto na disponibilização de suas estruturas físicas quanto nas campanhas de solidariedade no combate à fome. Mesmo sendo diretamente atacado desde à Reforma Trabalhista de 2017, as entidades sindicais assumiram no contexto da pandemia um papel fundamental de negociação e fiscalização para preservação de emprego, renda e condições dignas de trabalho.

O reconhecimento social e o enraizamento popular dos sindicatos nos colocam em uma posição estratégica para a disputa eleitoral de 2022, assim como para a construção da democracia brasileira. Precisamos ocupar este importante papel de oposição ao negacionismo em curso, combatendo todo tipo de autoritarismo e criando assim condições para a eleição de candidaturas trabalhistas e sindicais verdadeiramente representativas no Congresso Nacional. A alternativa proposta pelo Movimento Sindical passa necessariamente pelo diálogo, pela unidade e pela democracia. Uma construção amparada pelas bases populares que reivindica a solidariedade, o resgate da humanidade, saúde, educação, segurança, combate à miséria, geração de emprego, renda e a conquista de direitos sociais e trabalhistas.

Clique aqui e leia mais artigos.

Conteúdo Relacionado

Mobilização nacional pela redução das taxas de juros – Adilson Araújo

CTB na luta pela redução da taxa de jurosAproxima-se a data definida pelas centrais sindicais para a realização de uma manifestação nacional pela redução...

Morrer pobre não é opção: é uma imposição! – Eduardo Annunciato Chicão

Quantas pessoas você conhece que querem morrer pobres? Mesmo alguém mais simples, com pouca ou nenhuma escolaridade, que não foi dominado pela ambição materialista...

Debate sobre financiamento da Previdência Social não pode ser de cima para baixo – Milton Cavalo

Uma conversa entre o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, e o senador do Distrito Federal, Izalci Lucas (PL), durante a última sessão ordinária da...

O bolsonarismo define estratégia para 2026: o Senado Federal – Marcos Verlaine,

Como o principal líder do bolsonarismo — apelido dado à extrema-direita brasileira — está inelegível até 2030 — esse segmento político, que até 2013...

O papel social do esporte -Ricardo Pereira de Oliveira

Um problema antigo no Brasil é a falta de continuidade nos projetos, obras ou iniciativas que dão certo.Por isso, considero um tremendo êxito o...