17.2 C
São Paulo
sexta-feira, 14/06/2024

Demissões na Mercedes é reflexo da falta de política industrial

Data:

Compartilhe:

O anúncio de demissão de 3.600 trabalhadores feito pela Mercedes um dia antes do feriado de 7 de setembro reflete a polícia economia adotada pelos governos Temer e Bolsonaro. É o que diz o coordenador da subseção DIEESE no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, Luís Paulo Bressiani.

“A postura da montadora é um movimento natural diante do cenário econômico que o país atravessa. Em 2014, tínhamos uma expectativa de produção de 5 milhões de unidades por ano, hoje temos uma situação na qual muitas fábricas estão com produção ociosa. Isso faz com que as empresas queiram demitir pessoas e fechar fábricas”.

TERCEIRIZAÇÃO – para Luís a terceirização de postos de trabalho é outro efeito das políticas econômicas adotas desde 2015.

“A política de incentivo, especialmente de produtos automotivos, faz com que a terceirização seja cada vez mais crescente na indústria automobilista”.

“Não diria que o setor vive uma crise, mas a terceirização gera a diminuição de renda e do poder de compra das famílias. Isso faz com que o consumo diminua o que resulta na queda da produção. Esse ciclo é fruto da falta de uma política economia voltada para a indústria nacional”.

REUNIÃO – na próxima terça (13), o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC terá uma reunião com os diretores da empresa para tentar reverter as demissões.

“A uma assimetria de poder que temos de combater. O governo diz que a Covenção Coletiva é o que vale, mas fortalece as empresas com incentivos ao mesmo tempo que enfraquece os Sindicatos”, ressalta Luís.

CENTRAIS – O anúncio dos cortes gerou repúdio geral. As Centrais Sindicais se unem contra os cortes. Força e CNTM afirmam em Nota: “Repudiamos a postura da empresa, desumana em relação aos trabalhadores e suas famílias e irresponsável perante as necessidades do País”.

Conteúdo Relacionado

Trabalhadores da Eletrobras deflagram greve por tempo indeterminado

80% do quadro adere à paralisação e dá remédio amargo aos patrões que não quiseram negociarOs trabalhadores do grupo Eletrobras estão de braços cruzados...

Bancários querem aumento real de 5%

Avança a campanha salarial do ramo financeiro ligado à Contraf-CUT. Um ponto alto foi a 26ª Conferência Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro, encerrada...

“É o meu maior prêmio”, diz Ricardo Kotscho

Sexta, 7, no Dia da Liberdade de Imprensa, o jornalista Ricardo Kotscho recebeu o troféu Audálio Dantas, na Câmara Municipal de São Paulo. A...

Sinpro realiza encontro das Católicas

Aconteceu entre 7 e 8 de junho o Encontro Nacional de Professores e Estudantes das Universidades Católicas. Evento foi organizado pelo Sinpro Campinas, em...

Adriana Marcolino assume a direção-técnica

Fundado em 1955, o Dieese vive uma situação inédita, com duas mulheres no comando principal da entidade. Na presidência, a sindicalista Maria Aparecida Faria,...