15.1 C
São Paulo
sábado, 13/07/2024

Enfermagem faz ato nacional em defesa do Piso

Data:

Compartilhe:

Aproximadamente sete mil profissionais da Enfermagem realizaram, na manhã da quarta (28), ato nacional na Esplanada dos Ministérios. O objetivo foi cobrar a efetivação do Piso salarial da categoria.

Tesoureiro do Conselho Federal de Enfermagem (Cofen), Gilney Guerra, avalia que o sistema de saúde pode entrar em colapso. Ele diz: “Estamos preocupados com esse impasse, com o futuro da profissão e com o atendimento à saúde da população, pois observamos que a categoria está no limite”, afirma.

Segundo ele, os trabalhadores esperam das autoridades responsáveis por essa situação tomem a decisão acertada.

Julgamento – O Supremo Tribunal Federal (STF) tem até sexta, dia 30, para concluir o julgamento sobre a constitucionalidade do Piso da Enfermagem. Os ministros analisam decisão do relator, ministro Luís Roberto Barroso, que em maio, estabeleceu regras para o pagamento dos profissionais nas redes estaduais, municipais e federal.

Barroso entendeu que estados e municípios devem pagar o piso nacional da enfermagem nos limites dos valores que receberem do governo federal.   Segundo os estados, o impacto nas contas locais é de R$ 10,5 bilhões e não há recursos para suplementar o pagamento.

Até o momento, seis ministros já votaram. Barroso e Gilmar Mendes se manifestaram para manter as condições da decisão que liberou o piso. Já Edson Fachin e Rosa Weber votaram pelo pagamento em todos os contratos públicos e privados.

O ministro Luiz Fux votou pela regionalização do Piso Nacional da Enfermagem. O voto do ministro é o terceiro a seguir esta linha e acompanhou o entendimento dos ministros Dias Toffoli e Alexandre de Moraes em relação ao Piso.

Para o Confen, o entendimento do ministro Fux de regionalização contraria  o espírito de uma base salarial “nacional” e fere o sentido da Lei 14.434/2022. “O objetivo da Lei do Piso é justamente erradicar salários miseráveis, em todas as regiões do Brasil. A regionalização contraria este espírito”, afirma a presidente do Conselho Federal de Enfermagem (Cofen), Betânia Santos.

No ano passado, o pagamento do piso foi suspenso pelo STF devido à falta de previsão de recursos para garantir o pagamento dos profissionais, mas foi liberado após o presidente Luiz Inácio Lula da Silva abrir crédito especial para o repasse de R$ 7,3 bilhões para estados e municípios pagarem o piso.

MAIS – Acesse o site do Cofen

Conteúdo Relacionado

Consultor vê País normalizado e Lula mais forte

O ambiente nacional está mais calmo. A economia vai bem. As relações entre Executivo e Legislativo avançaram. E as condições para o diálogo e...

Sindicato e UGT apoiam luta nos EUA

O Sindicato dos Comerciários de São Paulo (filiado à UGT) foi representado pela diretora Maria das Graças da Silva Reis nos atos da Campanha...

Futebol Metalúrgico faz final domingo

Termina dia 14, domingo, o 27º Campeonato de Futebol dos Metalúrgicos de Guarulhos e Região (Grande SP). Competição já teve 57 partidas, com 195...

Foi forte o Dia da Luta Operária

Teve grande participação sindical e popular a edição 2024 do Dia da Luta Operária, em 9 de julho. Mesmo com frio intenso e chuva,...

Mercado é 0,5% da população, diz economista

Nas últimas semanas, a palavra mercado foi uma das mais utilizadas na mídia, principalmente pelos comentaristas de economia.O viés ideológico dessa cobertura empodera o...