17.2 C
São Paulo
domingo, 21/07/2024

Mas é Carnaval! – Por Oswaldo Augusto de Barros

Data:

Compartilhe:

Entre o desmando e a incompetência, faltam vacinas e sobram remédios sem eficácia. E nada de previsão ou maiores chances de novas vacinas. O ministro da Saúde diz que a vacinação será concluída no segundo semestre.

A tal de Cloroquina é fabricada e distribuída pelo Exército para combate da Covid-19 ao custo de mais de R$ 1,5 mi, sem qualquer comprovação de eficácia. E a Economia afirma que só há chance de crescimento caso tenhamos um número máximo de vacinas aplicadas.

No confronto do Senado, ministro é cobrado por aliado, do Amazonas, e o desencontro de informações prestadas não convence. A responsabilização é latente. Triste realidade de seu Estado, onde uma variante da Covid age agressivamente e a ausência de oxigênio expõe a irresponsabilidade Federal, palavras do próprio parlamentar.

A média diária de mortes não é inferior a mil brasileiros, e a demora na imunização acende sinal de alerta pra se atingir o ocorrido na América do Norte. Pesquisas, daqui e dos EUA, indicam que a cerca de 63% das mortes ocorrem em famílias de baixa renda.
Que mundo está sendo construído?

Distrito Federal, Porto Velho, Boa Vista e Maceió, citando apenas as Capitais, mantiveram o feriado de Carnaval. Rádios, em seus matutinos, estimulam que a população cansada de ficar em casa viaje e se divirta.

Distanciamento, cuidados higiênicos com as mãos e olhos, vacinação, uso de máscaras são apenas detalhes. Dá a nítida impressão que tudo voltou à normalidade e não é o novo normal.

A lição de Manaus não ecoou Brasil a dentro e a redução dos leitos federais nos Estados, sob a desculpa de falta de planejamento anterior, mostra a imaturidade reinante por todos os setores.

Mantenhamos os cuidados. Mãos contaminadas levam o vírus à boca e aos olhos. Distanciamento é arma pra conter a contaminação aérea. A máscara comprova-se como a melhor barreira pra impedir sua entrada pelas vias aéreas (há quem defenda duas máscaras ao mesmo tempo).

É você que deve optar entre a vida e a diversão. A manutenção do distanciamento responsável ou o abraço de urso. O uso ou não de máscaras em contato com grupos de pessoas e locais fechados a descuidar dos cuidados com as mãos.

Carnaval é festa de alegria; não é prenúncio de Funeral.

Conteúdo Relacionado

Mobilização nacional pela redução das taxas de juros – Adilson Araújo

CTB na luta pela redução da taxa de jurosAproxima-se a data definida pelas centrais sindicais para a realização de uma manifestação nacional pela redução...

Morrer pobre não é opção: é uma imposição! – Eduardo Annunciato Chicão

Quantas pessoas você conhece que querem morrer pobres? Mesmo alguém mais simples, com pouca ou nenhuma escolaridade, que não foi dominado pela ambição materialista...

Debate sobre financiamento da Previdência Social não pode ser de cima para baixo – Milton Cavalo

Uma conversa entre o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, e o senador do Distrito Federal, Izalci Lucas (PL), durante a última sessão ordinária da...

O bolsonarismo define estratégia para 2026: o Senado Federal – Marcos Verlaine,

Como o principal líder do bolsonarismo — apelido dado à extrema-direita brasileira — está inelegível até 2030 — esse segmento político, que até 2013...

O papel social do esporte -Ricardo Pereira de Oliveira

Um problema antigo no Brasil é a falta de continuidade nos projetos, obras ou iniciativas que dão certo.Por isso, considero um tremendo êxito o...