23.8 C
São Paulo
terça-feira, 18/06/2024

Metalúrgicos de SP comemoram ‘retomada’ do Ministério do Trabalho

Data:

Compartilhe:

O Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo completou 90 anos na terça (27). A existência da entidade quase coincide com a do Ministério do Trabalho, criado em 1930. A retomada do órgão governamental a partir do ano que vem, sob a gestão Lula, é comemorada pelo Sindicato e pelo conjunto das centrais, que apostam na valorização da negociação coletiva e na revisão de alguns itens da “reforma” trabalhista implementada em 2017.

“Temos agora o desafio de em 2023, com um novo governo federal e um novo Congresso, fazer avançar a pauta da classe trabalhadora aprovada na Conclat 2022“, afirma o presidente do sindicato e da Força Sindical, Miguel Torres. “E conquistar muito mais para a categoria e a classe operária em geral. A luta faz a lei”, acrescenta Miguel, que está na direção dos metalúrgicos desde 2008. Seu mandato vai até julho de 2025.

Recriação – O Ministério do Trabalho foi extinto logo no início do atual governo. Em 2021, para acomodar um aliado político, o presidente da República recriou a pasta, mas sem nenhum protagonismo político ou econômico. Será mais um desafio do próximo governo.

Na comemoração do aniversário do Sindicato, antecipada para o último 10, Miguel citou a primeira greve geral, realizada em 2017 em São Paulo. “Depois tivemos a conquista da CLT e como mostra a história todas as conquistas de direitos e benefícios passaram pela luta do movimento sindical, sempre com a atuante presença dos metalúrgicos: refeitório, cesta-básica, 13º salário, férias, um terço de férias, licenças maternidade e paternidade, adicional de hora extra, periculosidade, pagamento salarial até o dia 5, direitos da convenção coletiva”, destacou.

O dirigente citou ainda a greve de 1961, que resultou em prisões. Mesmo assim, no ano seguinte o governo sancionou a lei do 13º salário. Em 1985, a categoria conseguiu a jornada de 44 horas semanais. No texto constitucional de 1988, a jornada legal é de 48 horas.

Em nota, as centrais apontam a negociação coletiva “como principal instrumento de regulação das relações e condições de trabalho, realizada por entidades sindicais fortes e representativas, com autonomia de organização e de sustentação financeira”, conforme propõe a Organização Internacional do Trabalho (OIT). “Para isso é urgente corrigir os marcos normativos que legalizam a precarização do trabalho, desqualificam e desincentivam a negociação coletiva, enfraquecem os sindicatos e submetem os trabalhadores à coerção dos empregadores.”

A pasta do Trabalho será comandada por Luiz Marinho, que já foi ministro do Trabalho e da Previdência, também na gestão Lula. Metalúrgico da Volkswagen, Marinho foi presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC e da CUT.

Fonte: RBA

Conteúdo Relacionado

Metalúrgicos de Catalão conquistam avanços

Depois de muita negociação, terminou com boas notícias a Campanha Salarial 2024/2025 da John Deere, no Catalão, em Goiás. Os metalúrgicos conseguiram conquistar reajuste...

Cesta básica sobe, mostra o Dieese

Pesquisa mensal do Dieese apura que em maio o valor do conjunto de alimentos básicos aumentou em 11 das 17 Capitais. A Pesquisa Nacional...

Sindicato de Niterói firma aditivo com avanços

Mais uma vitória para uma grande parcela de frentistas no Estado do Rio de Janeiro. Desta vez, de Araruama, Cachoeira de Macacu, Guapimirim, Iguaba...

Miguel da Força defende democracia e inclusão

Na quarta (12), Miguel Torres falou em nome do sindicalismo nacional e da classe trabalhadora na Conferência da Organização Internacional do Trabalho, em Genebra,...

CUT debate os impactos dos parques eólicos para a classe trabalhadora

A CUT debateu nesta terça-feira (11) e quarta-feira (12) em Natal, no Rio Grande do Norte, os impactos dos parques eólicos nas comunidades locais,...