26 C
São Paulo
domingo, 19/05/2024

Novo PAC é acertado, diz Corrêa de Lacerda

Data:

Compartilhe:

Sexta, 11, o Presidente Lula lançou no Rio de Janeiro a terceira versão do PAC – Programa de Aceleração do Crescimento. A iniciativa tem metas ambiciosas, entre as quais retomar o crescimento econômico, com inclusão social, e gerar até três milhões de empregos.

A Agência Sindical entrevistou, com exclusividade, o economista Antônio Corrêa de Lacerda, professor na pós-graduação da PUC-SP, escritor e também comentarista da TV Cultura, SP.

Principais pontos:

Estado – “Sem ser antimercado, o Programa reposiciona o Estado como agente indutor do desenvolvimento”.

Tripé – “Há um tripé no PAC 3: crescimento, sustentabilidade e inclusão social. O Brasil precisa incluir no trabalho e no consumo 20 milhões que estão à margem.”

Projeto – “O PAC, em que pese sua dimensão, não é um gesto isolado do governo. Ele está integrado a uma série de reformas tratadas pelo Congresso e a iniciativas junto a Ministérios, órgãos de fomento, ao BNDEs e a outros”.

Moderno – “Nem estadofobia, nem estadolatria. O governo tem isso claro. Muitos dos que coordenarão o PAC atual já atuaram nos programas anteriores. São pessoas qualificadas, experientes e articuladas com o setor produtivo, conselhos, comissões e outros órgãos”.

PIB – “O Brasil desceu ao degrau mais baixo de investimentos quanto ao PIB, cerca de 17%. Queremos alavancar para pelo menos 20%. Por isso, se fala em mobilizar, nesses quatro anos, em torno de R$ 1,7 trilhão”.

Indústria – “Poderemos implementar a neoindustrialização, por meio de investimentos diretos, Parcerias (PPPs) e financiamento aos investidores. Essa discussão não começou agora. Eu faço parte da Comissão Nacional de Desenvolvimento Industrial, que apresentou um conjunto de propostas”.

Federação – “Ao destinar recursos e indicar obras para os Estados, o governo central fortalece o pacto federativo e engaja Estados e Municípios no PAC-3. A presença do presidente da Câmara, no lançamento, no Rio, também traz o Congresso para dentro do Programa”.

Neoliberalismo – “O PAC, com o retorno do Estado indutor, desautoriza o radicalismo neoliberal dos últimos dois governos, que não se sustenta nas boas teorias econômicas e mesmo na prática, como demonstram China, Japão e os próprios Estados Unidos”.

Motor – “Está demonstrado que o motor do crescimento é o investimento, público ou privado. Esse é o caminho que o PAC adota”.

MAIS – Acesse o site do Ministério da Economia

Conteúdo Relacionado

Futebol dos Metalúrgicos volta domingo e arrecada para o Rio Grande do Sul

Ganha reforço neste domingo (19) a campanha do Sindicato dos Metalúrgicos de Guarulhos e Região em prol das vítimas das enchentes do Sul. A...

Cartilha do MPT lista os atos antissindicais

O Ministério Público do Trabalho publicou a cartilha "Atos Antissindicais. O que fazer?". Documento idealizado pela Conalis - Coordenadoria Nacional de Promoção da Liberdade...

Centrais farão Plenária

Quarta, 22, as Centrais Sindicais realizarão plenária em Brasília. A parte da manhã será dedicada a debater a Pauta Unitária aprovada na Conclat 2022,...

O Sul precisa de ajuda, diz líder frentista

O Sindicato dos Frentistas do Rio Grande do Sul fica no Centro de Porto Alegre, Capital. Na quarta, 15, às 11h50, a água ainda...

Sinpro Campinas completa 83 anos

quarta, dia 15, o Sinpro Campinas completou 83 anos. Integrante da Federação (Fepesp), a entidade representa o professorado da rede privada, além do Sistema...